REDES SOCIAIS

22°C

Agente penitenciária e detento com quem ela tinha ‘relacionamento especial’ foram encontrados e presos

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Uma agente penitenciária americana que havia desaparecido com um detento que era suspeito de homicídio nos Estados Unidos foram presos no estado de Indiana nesta segunda-feira (9) depois de dez dias em que estiveram fugidos.

Vicky White, a agente de 56 anos, trabalhava em uma penitenciária no estado do Alabama.

Ela e o detento Casey White, de 38 anos, foram vistos em um hotel em Indiana dirigindo uma picape Ford F-150.

A polícia então iniciou uma perseguição que acabou com uma batida, de acordo com o xerife local.

Vicky estava no assento do passageiro. Ela precisou ser hospitalizada. Não há detalhes de seu estado de saúde.

Fuga da cadeia no Alabama

Casey White era um dos detentos da cadeia de Florence, no estado americano do Alabama. Vicky é acusada de “permitir ou facilitar” a fuga do prisioneiro, segundo o xerife Rick Singleton.

O cargo de Vicky é diretora assistente de correções. Ela havia sido vista pela última vez escoltando Casey a um tribunal local, no dia 29 de abril. Apesar de terem o mesmo sobrenome, eles não são familiares. Reportagem de uma afiliada do canal NBC, no entanto, aponta que, segundo investigadores a par do caso, outros internos da cadeia disseram que eles têm um “relacionamento especial”.

“Casey White é uma pessoa extremamente perigosa e precisamos localizá-lo e tirá-lo da rua”, afirmou o o xerife Singleton. Há uma recompensa de US$ 10 mil por informações sobre o suspeito de assassinato desaparecido e a diretora assistente.

“Confirmamos através de fontes independentes e outros meios que havia de fato um relacionamento entre Casey White e Vicky White fora de seu horário normal de trabalho – não contato físico, mas um relacionamento de natureza diferente”, disse Singleton, de acordo com a emissora americana CNN.

“Fomos informados de que Casey White tinha privilégios especiais e era tratado de forma diferente dos outros presos enquanto estava na prisão”, disse Singleton.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS