REDES SOCIAIS

34°C

Alckmin diz que Brasil está livre da febre aftosa e não precisará mais vacinar rebanhos

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O vice-presidente da República, Geraldo Alckmin, anunciou nesta quinta-feira (2), que o Brasil está livre da febre aftosa e que não há mais a necessidade de vacinação dos rebanhos contra a doença.

O pronunciamento foi feito no Palácio do Planalto, em Brasília. Mais cedo, uma portaria foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) reconhecendo a situação.

?O sonho sempre foi a gente ter livre de febre aftosa, sem vacinação?, afirmou Alckmin.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Dessa forma, a imunização dos rebanhos foi suspensa em todas as unidades da federação.

Recentemente, o Ministério da Agricultura e Pecuária antecipou a última campanha de imunização nos estados de Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte ? que ainda não tinham o reconhecimento do fim da doença.

A expectativa agora é conseguir antecipar o reconhecimento internacional dessas áreas, o que pode facilitar aberturas de mercados. A meta do Brasil é ser reconhecido internacionalmente totalmente livre de febre aftosa sem vacinação até 2026.

O secretário de Defesa Agropecuária, Carlos Goulart, afirmou que, em agosto, o Ministério deve enviar os resultados da suspensão da vacinação do Brasil para a Organização Mundial de Saúde Animal (Omsa) e que há a expectativa de conclusão da auditoria do órgão até maio de 2025.

“Este talvez seja o desafio mais difícil que o Brasil tomou em décadas”, afirmou o secretário Goulart.

Já o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, afirmou que, com a decisão, o Brasil poderá entrar em “um patamar antes não acessado” como é o caso do Japão e da Coreia do Sul.

?O que significa isso? Não é o fim de um processo, é o início de um processo que o Brasil troca de patamar, num grupo de elite sanitária mundial, que é muito mais difícil de se manter nessa elite. Pela lógica, você retirando a vacina nós ficamos mais vulneráveis, mas com dedicação nós vamos atingir mercados muito exigentes. A partir do reconhecimento da Omsa, nós vamos poder vender para Japão, Coreia do Sul e que poucos países do mundo conseguem acessar?, afirmou Fávaro.

Os estados do Acre, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Rondônia bem como partes do Amazonas e Mato Grosso já têm o reconhecimento internacional da Omsa, e também não vacinam seus rebanhos.

Para conquistar o reconhecimento internacional, a Omsa exige a suspensão da vacinação contra a febre aftosa e a proibição de ingresso de animais vacinados nos estados e regiões propostas por, pelo menos, 12 meses.

Assim, nesta quinta foi publicada portaria que restringe a movimentação de bovinos e bubalinos e de produtos desses locais para as demais áreas que ainda praticam a vacinação no país. Bem como está proibido o armazenamento, a comercialização e o uso de vacinas.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS