REDES SOCIAIS

34°C

Ao lado de Gisela, secretário da Sesp cita ?efeito contágio? sobre ameaças de massacre

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

image

O secretário de Segurança Pública de Mato Grosso, César Augusto Roveri, compartilhou nesta terça-feira (11), as orientações da Polícia Civil em torno das ameaças de massacres nas escolas do Estado. Em conversa com a ex-superintendente do Procon-MT e suplente de senador, Gisela Simona (União), Roveri alertou sobre o “efeito contágio” diante do tema.

O secretário, que é Coronel da Polícia Militar, enfatizou que a ‘onda’ de mensagens com o teor de ameaça ocorre por todo o país e apesar da banalização do assunto entre os estudantes, todos os casos estão sendo investigados pela Polícia Civil.

“Cuidado com o efeito contágio, uma vez que quando se pulveriza nas redes sociais áudios, textos e fotos sobre possíveis ataques, infratores de fato podem se sentir inspirados à concretização das ameaças. A maioria dos casos, tratam-se de fake news criadas pelos próprios alunos para terem visibilidade e/ou gerar pânico”, orientou.

A declaração foi feita pela ex-superintendente através de suas redes sociais. Segundo Gisela, ela foi em busca de maiores esclarecimentos sobre o caso, após se deparar com diversas mães em pânico.

“Diante de várias mulheres, mães, amigas, conhecidas, todas preocupadas com o pânico estabelecido em torno de possíveis ataques nas escolas, hoje tive a honra de conversar com o secretário Segurança Pública, coronel PM César Augusto Roveri para esclarecer e conversamos sobre esse fato que não ocorre somente em Mato Grosso, mas todo Brasil e nossas forças de segurança estão atentas, mobilizadas tanto na prevenção como na repressão desses fatos”, escreveu.

Confira as orientações da Polícia Civil De Mato Grosso:

1. Cuidado com o efeito contágio, uma vez que quando se pulveriza nas redes sociais áudios, textos e fotos sobre possíveis ataques, infratores de fato podem se sentir inspirados à concretização das ameaças;

2. A maioria dos casos, tratam-se de fake news criadas pelos próprios alunos para terem visibilidade e/ou gerar pânico;

3. Todos os casos estão sendo investigados pela Polícia Civil e pessoas serão presas a qualquer momento.

Fonte: Isso É Notícia

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS