REDES SOCIAIS

17°C

Aos 60 anos do golpe, Múcio diz que, desta vez, foram as Forças Armadas que evitaram ruptura

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Aos 60 anos do golpe militar de 1964, o ministro da Defesa, José Múcio, afirma que, desta vez, foi a cúpula das Forças Armadas que evitou uma nova ruptura democrática no país.

“A nova geração das Forças Armadas não é golpista. Graças a ela, não tivemos um novo golpe no Brasil”, afirmou o ministro ao blog.

Múcio diz não ser contra esclarecer tudo que ocorreu nas duas décadas da ditadura militar, mas defende que não haja “revanchismo” ou clima de conflito com a atuação geração de militares ? que, segundo ele, não tem mais relação com o que aconteceu no golpe de 1964.

Em depoimentos à Polícia Federal, os ex-comandantes do Exército Freire Gomes e da Aeronáutica brigadeiro Baptista Junior relataram que, em reunião com o então presidente Bolsonaro, deixaram claro que não apoiariam qualquer aventura golpista.

Freire Gomes chegou a dizer que seria obrigado a prender Bolsonaro.

Os depoimentos revelam, ao mesmo tempo, que o comandante da Marinha, Almir Garnier, teria colocado suas tropas à disposição de um eventual golpe.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Lula quer ‘virar a página’

O próprio presidente Lula tem dito que é preciso “virar a página” do que aconteceu no país ? e tem lembrado que o atual comandante do Exército, Tomás Miguel Paiva, tinha apenas 4 anos no ano do golpe.

O presidente foi criticado por não autorizar qualquer ato oficial de seu governo em relação à ditadura militar, contra ou a favor.

Neste domingo (31), a manifestação mais importante dos Três Poderes foi o voto do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Flávio Dino ? o terceiro a favor da tese de que as Forças Armadas não são poder moderador e de que não há um “quarto poder” militar.

Dino ainda sugeriu que a decisão final do julgamento, que caminha para respaldar esse entendimento, seja enviada às três Forças Armadas. Como uma notificação de que o regime constitucional brasileiro não incorpora um “poder militar” com autoridade para intervir ou dar golpes.

Sem cerimônias, mas com mensagens

Nos 60 anos do golpe, Lula acertou ao evitar cerimônias e notas oficiais de apoio e condenação da ditadura, deixando isso para vítimas do regime militar e militares de pijama.

Isso não evitou que pelo menos sete dos 38 ministros publicassem mensagens nas redes sociais condenando o regime militar.

Silvio Almeida, que foi obrigado a cancelar uma cerimônia, publicou mensagem nas redes sociais criticando a ditadura, dizendo que o Brasil não pode jamais esquecer a sua violência e tragédias geradas na época.

Foi seguido pelos colegas Camilo Santana, Paulo Pimenta, Paulo Teixeira, Sonia Guajajara, Cida Gonçalves e Jorge Messias.

O presidente do STF, Luís Roberto Barroso, também postou mensagem defendendo a democracia e condenou os atos da ditadura.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS