REDES SOCIAIS

33°C

Após reunião, chanceleres de Venezuela e Guiana se dizem esperançosos com retomada do diálogo entre os países

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Os chanceleres da Venezuela, Carl Barrington Greenidge, e da Guiana, e Yván Gil Pinto, afirmaram nesta quinta-feira (25) que os dois países continuam dispostos a retomar o diálogo.

Eles participaram de reunião conjunta no Palácio Itamaraty, em Brasília. O encontro foi mediado pelo ministro das Relações Exteriores brasileiro, Mauro Vieira.

A reunião teve como pano de fundo a crise causada pela reivindicação da Venezuela sobre a região de Essequibo, hoje reconhecida como parte do território guianês.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

“Nós também salientamos à delegação de venezuelanos que a Guiana segue comprometida em resolver a controvérsia que a Venezuela tem com a decisão de 1988 do tribunal arbitral de um jeito muito pacífico. Nós reiteramos nosso apoio e compromisso com a Carta da ONU, que inclui o respeito à lei internacional e ao acordo de 1966 de Genebra, que está dentro da lei internacional”, disse o chanceler da Guiana.

“A Venezuela e o governo do presidente Nicolas Maduro está plenamente comprometido em buscas alternativas que nos permitam chegar a uma solução mutuamente aceitável, no referendo, ou na controvérsia que temos na Guiana Essequiba e também impulsionar as relações de cooperação e integração entre Guiana e Venezuela. Nós nos sentimos realmente satisfeitos. Vamos com muitas expectativas às futuras discussões. Ainda há muita matéria a discutir”, afirmou o ministro venezuelano.

Do lado brasileiro, o ministro Mauro Vieira afirmou que, na conversa desta quinta, a Venezuela e Guiana expressaram entendimento acerca do compromisso para com o diálogo e a paz. Além disso, que os dois países apresentaram suas propostas de agenda de trabalho para uma possível nova reunião entre as duas partes, que também poderá ser realizada no Brasil.

“Comprometeram-se, reconhecidas as diferenças de lado a lado, a seguir dialogando com base nos parâmetros estabelecidos pela declaração de Argyle. Agradeço a participação dos chanceleres da Venezuela e da Guiana nas conversas de hoje. Assim como a presença dos atores regionais, como São Vicente e Granadina, como representação da Celac, assim como a ONU, que observou e participou dos trabalhos”, afirmou Mauro Vieira.

Disputa entre Venezuela e Guiana

A Venezuela afirma ser a verdadeira proprietária da região de Essequibo, um trecho de 160 quilômetros quadrados que corresponde a cerca de 70% de toda a Guiana e atravessa seis dos dez estados do país. A área é rica em recursos naturais.

A realização de um referendo, no ano passado, reascendeu a disputa, de décadas, e o temor de um conflito armado na fronteira com o Brasil.

Lula visitará a Guian

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se prepara para viajar à Guiana, para a cúpula da Comunidade dos Estados do Caribe (Caricom), que acontece no dia 28 de fevereiro.

Diplomatas veem na viagem para a cidade de Georgetown um recado do governo brasileiro para a Venezuela.

O bloco é composto por 20 países do Caribe, sendo 15 estados-membro e cinco associados. O Brasil participará como convidado do encontro, já que não integra o bloco.

Lula tem como uma de suas prioridades na agenda externa a integração dos países da América Latina, além do diálogo com países próximos, como os caribenhos.

Em dezembro de 2023, Lula mencionou intenção de participar do encontro, para falar sobre financiamentos e sobre democracia. Mas, segundo fontes do Palácio do Planalto, a ida do presidente à Guiana também é lida como um recado forte à Venezuela de Nicolás Maduro, que reivindica a região de Essequibo, no território guianense.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS