REDES SOCIAIS

14°C

Bolsonaro sai ‘menor do que entrou’ de reunião com embaixadores, avaliam empresários

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O presidente Jair Bolsonaro saiu ?menor do que entrou? da reunião com embaixadores, na qual voltou a atacar as urnas eletrônicas e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). A avaliação é de empresários ouvidos pelo blog.

Eles entendem que, em um momento em que Bolsonaro deveria estar discutindo com a comunidade internacional os ?problemas reais? do Brasil, o presidente gastou tempo repetindo antigos e já desmentidos ataques ao sistema eleitoral.

Segundo um empresário com quem o blog conversou, Bolsonaro fica discutindo ?não-problemas?, como as urnas eletrônicas. Os empresários corroboram a visão de especialistas e autoridades de que as urnas são seguras e confiáveis.

Na avaliação de outro empresário, o presidente só pensa na reeleição e cria um clima de instabilidade no país, o que afasta investidores externos e desestimula o empresariado nacional a investir na expansão dos negócios. Segundo ele, ao levantar ?suspeitas infundadas? sobre as urnas, Bolsonaro gera incertezas no campo político, e isso afeta o mundo econômico.

Reações


window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

A forte reação à nova investida presidencial contra as urnas surpreendeu o Palácio do Planalto e gerou, na avaliação de aliados, o risco de que, desta vez, ele seja punido pela Justiça Eleitoral e até pelo STF. Não só no mundo político, mas também no jurídico e no empresarial a atitude de Bolsonaro foi muito mal vista.

Para líderes do Centrão, o presidente ?ultrapassou os limites? e usou estrutura pública para fazer seus ataques, o que abre o caminho para ele ser punido.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, já deu um prazo de cinco dias para que Bolsonaro e seu partido, o PL, expliquem a reunião realizada com embaixadores.

Em ação movida no TSE pelo PDT, o partido acusa o presidente de fazer propaganda irregular e ter cometido crime por usar a estrutura pública para fazer ataques às urnas eletrônicas.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS