REDES SOCIAIS

18°C

Botelho acredita que mudanças na Lei do Pantanal devem ser aprovadas em até 30 dias na ALMT

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

image

O presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), deputado Eduardo Botelho (UB), afirmou nesta terça-feira (31) que as mudanças na Lei Estadual nº 8.830/2008, a Lei do Pantanal, devem ser aprovadas em até 30 dias na Casa de Leis. De acordo com Botelho, as alterações foram discutidas com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) e será debatida junto aos pantaneiros.

“Agora, nós já construímos junto com a Empraba, a Sema e a Comissão [de Meio Ambiente] uma minuta dessa lei. Agora, ela vai ser melhorada, discutida com a população que vive no Pantanal, com o verdadeiro pantaneiro, e fazer uma lei agora casando o que foi feito tecnicamente com as suas experiências de vida. Eu acredito que isso agora possa ser rapidamente e nos próximos 30 dias nós possamos estar com essa lei aprovada”, pontuou, em entrevista à imprensa.

O objetivo da alteração na legislação é garantir a sustentabilidade do bioma e impedir que atividades como a agropecuária, a mineração e a indústria energética prejudiquem a fauna e a flora. A ALMT também pretende criar um estatuto a favor do Pantanal.

“O objetivo nosso seria fazermos uma lei, depois criarmos o Estatuto do Pantanal. Com isso, nós vamos dar autossustentabilidade com preservação do meio ambiente, é isso que nós queremos. E aí nós estamos vendo o que é possível fazer no Pantanal, nós não podemos plantar soja no Pantanal, não podemos construir usinas, fazer carvoaria, várias coisas que não podem, e isso tem que estar definido em lei. Então, essa discussão de hoje vai ser um ponto de partida para nós modificarmos e criarmos uma lei que seja duradoura para preservar e dar sustentabilidade ao Pantanal”, enfatizou Botelho.

O parlamentar também se manifestou a favor do Projeto de Lei nº 957/2019, que proíbe a construção de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) na extensão do Rio Cuiabá. A proposta foi aprovada no início deste mês pelos deputados e aguarda a sanção ou veto do governador Mauro Mendes (UB).

Fonte: Isso É Notícia

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS