REDES SOCIAIS

22°C

Botelho minimiza ida de Fábio para a Casa Civil: ?A política é assim?

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

@media only screen and (max-width: 767px) {
.img-wrapper {
margin-bottom: 5px;
}

.content-title {
margin-bottom: 10px;
}
}

A guerra interna que se estabeleceu dentro da cúpula estadual do União Brasil (UB) em torno da disputa ao cargo de prefeito de Cuiabá ganhou um novo capítulo na manhã desta segunda-feira (3), após o governador Mauro Mendes indicar seu correligionário, o deputado federal Fábio Garcia, ao cargo de chefe da Casa Civil de MT. Fábio assumirá o posto em substituição a Mauro Carvalho, que ocupará o cargo interino de senador nesta quarta-feira (5).

Acontece que a indicação acabou expondo o nome do novo chefe da Casa Civil em um período onde uma “guerra” foi travada entre ele e o presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), deputado Eduardo Botelho, sobre quem disputará a Prefeitura de Cuiabá pelo partido no ano que vem.

Mesmo com a escolha de Mauro pelo adversário prefeitável, Eduardo Botelho minimizou e disse que a indicação é natural.

“A política é assim, funciona dessa forma. Cada um usa o que tem, da forma que tem. Não adianta você chorar. Eu não ‘tô’ chorando e nem reclamando nada disso. A minha candidatura continua firme”, declarou à imprensa.

Botelho reforçou que não existe nada de “anormal” na escolha e que isso não afeta em nada o seu trabalho e sua pré-candidatura ao Alencastro.

“O meu trabalho não muda nada. Eu estou buscando apoio primeiro de Deus e depois do povo. Eu estou fazendo isso. Cada um faz da sua forma. Ele faz da forma dele, eu faço da minha. É vida que segue. O trabalho continua e quem vai decidir isso lá na frente, que vai ser o juiz de fato disso vai ser o povo”, pontuou.

“Dança das cadeiras”

O secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho (UB) assumirá a vaga do senador Wellington Fagundes (PL) no Senado a partir desta quarta-feira (5). Até o seu retorno ao staff de Mauro Mendes, ficará o deputado federal Fábio Garcia (UB). Wellington pega a licença do cargo após oito anos consecutivos na função, para se submeter a uma cirurgia no ombro.

Fábio Garcia deve se afastar das funções legislativas na Câmara Federal nos próximos dias. Enquanto não assume o cargo, quem fica interinamente na função que ele ocupará é o secretário adjunto de Relações com os Municípios da Casa Civil, Adjaime Ramos de Souza.

Durante sua licença na Câmara dos Deputados, quem assume sua vaga é a suplente do União Brasil e presidente do Procon-MT, Gisela Simona.

Fonte: Isso É Notícia

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS