REDES SOCIAIS

26°C

?Câmara provou que não faz parte da Organização Criminosa?, comemora Demilson Nogueira

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Fred Moraes

Única News

@media only screen and (max-width: 767px) {
.img-wrapper {
margin-bottom: 5px;
}

.content-title {
margin-bottom: 10px;
}
}

O presidente da Comissão de Acompanhamento Orçamentário da Câmara de Cuiabá, vereador Demilson Nogueira (PP), comemorou a aprovação de uma Comissão Processante que vai investigar o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), por supostamente comandar uma organização criminosa na Saúde da capital.

O parlamentar afirmou que, com a CPI em curso, a Casa de Leis prova que “não protege organização criminosa”.

“A Câmara, nesse primeiro momento, diz que ela não faz parte da rede de proteção da organização criminosa que o Emanuel Pinheiro implantou em sua administração. Depois de 16 pedidos de Comissão Processante, abre essa em razão da gravidade de fatos em razão da gravidade de acusação de corrupção. O importante é que estamos dando essa resposta para a sociedade”, disse o vereador.

A instauração da Comissão Processante no legislativo municipal foi aprovada, com 16 votos favoráveis e 8 contra, com o intuito de investigar o prefeito sob acusação de chefiar uma organização criminosa na Saúde de Cuiabá. A acusação é do Ministério Público e culminou no afastamento do prefeito por ordem judicial na semana passada. Ele voltou ao cargo após conseguir liminar no STJ, na quinta-feira (7).  

O autor do requerimento foi o vereador Felipe Corrêa (Cidadania), baseado na investigação da Polícia Civil e Ministério Público do Estado (MPE). A inclusão do pedido de abertura nas pautas da sessão ordinária desta terça-feira (12) foi apreciado e aprovado pelo Colégio Líderes na última segunda-feira (11).  

Conforme o rito, para ser instalada na Câmara era necessário que o pedido recebesse pelo menos 13 votos.   Edna Sampaio (PT), Rogério Varanda (MDB) e Wilson Kero Kero (Podemos) são os três vereadores que irão conduzir a Comissão Processante Investigativa.  A Comissão terá 90 dias para investigar o prefeito e posteriormente apresentar um relatório final pedindo a cassação ou absolvição.

Fonte: Isso É Notícia

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS