REDES SOCIAIS

19°C

Campos Neto sai de férias e escolhe Galípolo como presidente interino do Banco Central

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, saiu de férias e escolheu como como chefe interino da instituição o atual diretor de Política Monetária, Gabriel Galípolo.

O regimento interno do Banco Central dá ao presidente da autarquia o direito de escolher um interino durante suas ausências.

Com a escolha, Galípolo, que foi indicado por Lula como diretor do órgão e que está cotado para ser o sucessor de Campos Neto, ficará à frente do Banco Central até o dia 19 de julho.

As férias de Campos Neto começam oficialmente nesta quarta-feira (3). Entretanto, Galípolo já estava à frente do Banco Central desde o dia 28 de junho quando o titular da função viajou a Lisboa, Portugal.

Ou seja, por cerca de três semanas, Lula tem no comando do Banco Central alguém que indicou. Entretanto, Roberto Campos Neto volta do período de férias antes da próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), responsável por fixar a taxa básica de juros da economia brasileira, que está em 10,5%.

Crítico ferrenho de Campos Neto, Lula já externou por diversas vezes insatisfações com o mandatário do BC, que, na avaliação do petista, “tem lado político” e “trabalha para prejudicar o país”. Campos Neto foi indicado para o Banco Central por Jair Bolsonaro.

Além disso, para o presidente da República, o atual cenário da economia brasileira, com inflação dentro da meta, permite uma taxa de juros menor, o que facilitaria a realização de investimentos no país.

Período mais calmo

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Galípolo pode estar interinamente no comando do BC num período mais calmo, caso o governo anuncie nos próximos dias medidas de contenção de gastos para cumprir as regras do arcabouço fiscal neste e nos próximos anos.

Nesta quarta-feira, por sinal, depois das declarações de Fernando Haddad e do presidente Lula, de que seu governo tem responsabilidade fiscal e não vai jogar dinheiro fora, o dólar caía mais de 2%.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS