REDES SOCIAIS

22°C

Casa Civil apaga fotos de encontro entre Ciro e pastor envolvido em suposto esquema no MEC

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

A Casa Civil apagou fotos que estavam na conta do Flickr da pasta de uma reunião do ministro Ciro Nogueira com o pastor Arilton Moura, suspeito de ter participado de um possível esquema de corrupção no Ministério da Educação (MEC).

O encontro ocorreu no dia 21 de setembro do ano passado e foi registrado por um fotógrafo da Casa Civil.

O endereço em que as fotos estavam originalmente hospedadas figurava como indisponível ao ser acessado nesta quinta-feira (14). “Parece que a foto ou o vídeo que você está procurando não existe mais”, diz a mensagem no site. A agenda oficial do ministro também não faz menção a nenhum encontro com o religioso.

O g1 procurou a Casa Civil sobre a exclusão das imagens da reunião com o pastor investigado, mas não houve resposta até a última atualização desta reportagem.

As imagens, no entanto, ainda estão disponíveis no perfil do Instagram do deputado Vicentinho Júnior (PP-TO), que também participou da reunião. Na ocasião, o parlamentar postou a seguinte legenda com as imagens: “Mais uma vez estive com o ministro Ciro Nogueira para tratar sobre as demandas dos municípios tocantinenses. Agradeço imensamente ao ministro pela paciência e presteza que sempre nos atende. Agradeço mais ainda pela sensibilidade em atender nossos pedidos que beneficiam as pessoas do Tocantins”.

Nesta quinta-feira, o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República divulgou uma lista com registros de acessos do pastor Arilton Moura a gabinetes do Palácio do Planalto. A relação aponta que, no dia 21 de setembro de 2021, o pastor Arilton esteve na Casa Civil.

Arilton e outro pastor, Gilmar dos Santos, estão no centro das denúncias de irregularidades no Ministério da Educação. Em um áudio, o ex-ministro Milton Ribeiro diz, durante reunião com prefeitos, que repassava verba da pasta para municípios apontados pelos dois religiosos. Ribeiro, que foi demitido após as denúncias de irregularidades no MEC, disse ainda que fazia isso a pedido do presidente Jair Bolsonaro.

Depois, o ex-ministro negou que favorecesse os pastores e que estivesse obedecendo a uma determinação de Bolsonaro, apesar do áudio. Os dois pastores não têm cargos no governo.

Após o caso ter sido revelado, prefeitos relataram que Santos e Moura pediram propina para liberar verbas do MEC aos municípios. Segundo os prefeitos, foram solicitados dinheiro e até ouro e compra de bíblias como propina.

Santos e Moura já foram registrados em fotos oficiais do governo em eventos no Palácio do Planalto e em encontro com Bolsonaro no gabinete. Bolsonaro também já participou de evento da igreja da qual os pastores fazem parte.


window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS