REDES SOCIAIS

33°C

Ciro Gomes diz que retomará conversa com partidos da terceira via em busca de apoio na eleição

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Pré-candidato à Presidência da República pelo PDT, o ex-governador Ciro Gomes afirmou nesta segunda-feira (18) que pretende a dialogar com lideranças de partidos como União Brasil e PSD em busca de apoio nas eleições de outubro. Os dois partidos, até o momento, estudam lançar candidatura própria.

Questionado durante o lançamento da pré-candidatura da senadora Leila Barros (PDT) ao governo do Distrito Federal, Ciro disse que não havia entrado na “dinâmica de conversas” com lideranças do centro democrático porque havia um obstáculo: o ex-ministro e ex-juiz Sergio Moro.

?Tive um jantar 15 dias atrás com a direção do União Brasil. Bivar e ACM Neto. E eles perguntaram se eu admitia entrar em uma dinâmica de conversas com essas outras pessoas. Eu disse a eles que, a mim, repugnava a ideia de sentar com um inimigo da República como o Sergio Moro. Parece que essa questão está vencida, portanto, a única restrição que eu fazia está superada?, disse.

Segundo Ciro, a partir de agora, as conversas devem se intensificar com o União e o PSD. “São duas forças que ainda não estão aliadas nesse processo de pré-campanha”, afirmou.

Sergio Moro era tratado como pré-candidato à presidência pelo Podemos ? mas, no fim de março, migrou para o União Brasil. O União decidiu lançar como pré-candidato o presidente da legenda, Luciano Bivar. Em nota, Moro disse que “neste momento” abriria mão da disputa ao Planalto.

As siglas, segundo ele, já têm mantido conversa com o PDT. Para o ex-ministro, a decisão deve vir apenas em julho.

“Eles querem ver se eu atravesso o Rubicão, que ele aquele rio que o [imperador Júlio] César atravessou. […] Eles querem ver se eu me viabilizo. E é isso que eu quero ver também”, declarou.

Para retornar às conversas, Ciro Gomes disse que será preciso estabelecer um ?método?. ?Não pode ser um acordo de pretendes para replicar o que está aí?, acrescentou. O político disse que espera manter um diálogo com as legendas sobre a ?causa da crise brasileira e as raízes que precisamos fazer para devolver ao Brasil o desenvolvimento?.

?Se for para deixar o que tá aí, chama o Lula que vocês vão ver o que é bom para tosse?, disse.


window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Em busca do vice

Ciro Gomes repetiu que só deve decidir o candidato a vice-presidente na chapa em julho. Segundo o político, antes, é preciso esperar a formalização de alianças eleitorais.

No início o mês, Ciro se reuniu com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) ? que chegou a ser apontado como pré-candidato à presidência no início do ano. Questionado se o vice viria de MG, Ciro brincou: “Se eu pudesse, era ‘bão'”.

Ciro também já tentou atrair para o posto a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva, da Rede. Segundo o blog da jornalista Julia Duailibi, o ex-governador do Ceará avaliava Marina como a ?vice dos sonhos?.

Em março, ele elogiou a ex-ministra, a chamando de “figura extraordinária”, mas disse que “não é provável” tê-la como vice na chapa.

PDT não vai abrir mão de Ciro’

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, negou que a sigla avalie abandonar a candidatura própria à Presidência com Ciro Gomes. Nos últimos dias, segundo ele, alguns parlamentares especularam que isso poderia acontecer.

?Isso é só discussão mesmo. Enquanto eu estiver presidente, o PDT não vai abrir mão do Ciro. Quer tirar o Ciro da disputa? Me tira da presidência do partido?, disse ao g1.

Segundo Lupi, a candidatura de Ciro terá potencial para alavancar o número de parlamentares eleitos pelo partido em 2022. “A nossa candidatura própria vai fazer elevar esse número da bancada federal. Foi assim com o Cristovam Buarque e com o Ciro em 2018. Estamos unidos em torno do nome de Ciro”, afirmou.

O presidente nacional do PDT também disse estar pronto a retornar o diálogo com os partidos da terceira via. “Sem o Moro, fica muito mais fácil”, declarou, acrescentando que o PDT mantém diálogo constante com o União Brasil.

*estagiário, sob orientação de Mateus Rodrigues

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS