REDES SOCIAIS

14°C

Ciro Gomes propõe novo código trabalhista e fala em taxar fortunas para bancar renda mínima

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O candidato do PDT à Presidência da República e ex-governador do Ceará Ciro Gomes defendeu nesta quarta-feira (27), em entrevista à GloboNews, modernizar a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), por meio da elaboração de um novo código trabalhista, e taxar grandes fortunas a fim de financiar um benefício de renda mínima.

Segundo Ciro, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) publicada em 1943 ? e atualizada por sucessivas leis desde então ? “envelheceu” e não alcança novas modalidades como o trabalho remoto e as empresas que atendem por aplicativos.

A declaração foi dada na sabatina da “Central das Eleições”, da GloboNews. O programa entrevistou a candidata Simone Tebet (MDB) nesta segunda (25) e André Janones (Avante) nesta terça (26). Os candidatos Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) também foram convidados, mas não confirmaram presença no prazo estipulado em reunião.

Já a proposta de renda mínima, segundo o candidato, será uma das bases de um projeto novo de previdência social.

“Quero criar um programa de renda mínima de cidadania, como uma das três pernas de um projeto de Previdência Social novo. Então, tenho um projeto, entrará como um direito social, de status constitucional. É um elemento previdenciário, é um programa de renda mínima, como uma das três pernas do modelo previdenciário. A ideia básica é que seja de status constitucional. Grande diferença da minha proposta para qualquer outra promessa que tem circulado no Brasil: estou avançando para o ‘funding’ [financiamento], disse.”

De acordo com o pré-candidato do PDT, se implementada, a proposta reuniria Auxílio Brasil, seguro-desemprego, aposentadoria rural, Benefício de Prestação Continuada (BPC) e outros auxílios já pagos atualmente ? e restabeleceria o monitoramento de indicadores sociais que acompanhava o Bolsa Família.

“E eu proponho uma tributação, que está prevista na Constituição, sobre grandes fortunas, que estou especializando: 0,5% sobre patrimônios a R$ 20 milhões, arrecadaria o suficiente para financiar essa renda com mais essas outras fontes. R$ 60, R$ 70 bilhões por ano. Isso atinge 58 mil de contribuintes no Brasil, num país de 212 milhões, tal é a selvageria da concentração de renda no nosso país.”

Ao longo da entrevista, Ciro fez repetidas críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ? que lideram, até aqui, as pesquisas de intenção de voto.

O candidato do PDT disse que gostaria de enfrentar Lula em um eventual segundo turno e que aceitaria o apoio de Lula em um segundo turno contra Bolsonaro ? mas não faria campanha junto com o petista em outros cenários. Ciro minimizou o cenário atual das pesquisas, que o colocam na terceira colocação com cerca de 10% dos votos válidos.

“Pesquisa, mesmo científica, é um retrato, e a vida é um filme. Você veja aconteceu na Colômbia agora. O que aconteceu na Colômbia agora? O terceiro lugar, 30 dias antes, não era nada. 30 dias depois, tava no segundo turno. Perdeu a eleição por dois pontos. Veja o Rio de Janeiro, onde estamos nesse momento”, citou.

“Quem era o Witzel dez dias antes da eleição? Ninguém. Vamos a Minas Gerais, quem era o Zema dez, 15 dias antes da eleição? Ninguém. O meu candidato agora, há um aninho atrás, em Fortaleza, um ano e meio atrás, dormiu sábado com 21 pontos de vantagem e ganhou com 3,5 no dia seguinte”, prosseguiu Ciro.

Mais temas

Veja, abaixo, o que Ciro Gomes disse sobre outros temas durante a sabatina:

Papel da Polícia Federal

“A Polícia Federal, às vezes, dá vontade de eu falar baixo, mas não dá para eu falar baixo. A Polícia Federal de um país de 212 milhões, a Polícia Federal ter 11,6 mil pessoas trabalhando. Quase metade delas está atrás de mesa carimbando papel, fora da investigação, da repressão e da prevenção ao crime. Evidentemente, temos que redesenhar o aparato de segurança. Sobre o processo judicial, isso não é muita questão, porque vamos entender bem. […] Vou federalizar para cortar a cabeça uma vez, duas vezes, três vezes, do narcotráfico, do contrabando de armas, do crime do colarinho branco, dos crimes financeiros. São esses os grandes crimes.”

Política de segurança

?Nós, a geração que lutamos contra a ditadura, a redemocratização vimos na ?polícia? a repressão política do estado e sempre tivemos uma certa desconfiança, um certo distanciamento e isso acabou virando um preconceito. Eu participei desses debates em governo Fernando Henrique, Itamar Franco, Lula e eu dizia com clareza que nós precisamos avançar, endurecer, etc, etc, endurecer dentro das melhores práticas internacionais do estado de direito democrático, da inteligência policial, mas endurecer. Só o Brasil tem quatro graus, até quinto grau, se nós pensarmos em revisão penal, quatro graus de jurisdição para crime comum, isso não existem em qualquer lugar do mundo?.

Diversidade e minorias

“Absolutamente [haverá diversidade nos ministérios]. Veja, precisamos achar um caminho de ajudar o nosso povo a entender bem essa coisa que tem um equilíbrio que a gente tem que achar. Qual é o equilíbrio? Primeiro, todas essas questões que se chamam identitárias são questões absolutamente nobres, graves, importantes, centrais. Não há razão para que o Brasil aceite sermos nós o país que mais mata pessoas por identidade de gênero, sabe, isso é intolerável. Nós temos que entender o que está acontecendo. Por que que está crescendo o feminicídio no Brasil, que é um crime de gênero também? É preciso ter clareza disso. É absolutamente central a compreensão da pobreza brasileira a questão étnica. O pobre brasileiro é negro, a vítima da violência é negra, a vítima da polícia é negra. Então, temos que ter clareza disso.”

Composição dos ministérios

?O meu ministério será aquilo que eu já fui como prefeito e governador. Haverá lugar de fala para os negros, para as mulheres, para a comunidade LGBT, para os quilombolas, para os indígenas, para todos os discriminados. O princípio aqui é o respeito e a tolerância, esse é o princípio, eu vou vigiar que nenhum brasileiro seja perseguido por qualquer tipo de discriminação e colocarei o peso das instituições favorecendo isso, mas há uma luta de cultura, de formação, de valores, que nós precisamos fazer junto com o povo. Senão, se a gente vier de cima para baixo, dá no Bolsonaro?.

Saídas para a educação

“Eu pretendo que o centro do meu programa de governo seja uma revolução na educação. Porque sem isso, nada mais é viável. […] Onde é o caminho que eu pretendo nacionalizar, sem tirar as responsabilidades e autonomias locais? Federalizar o padrão, em que a União vai cumprir basicamente duas grandes tarefas. A primeira tarefa é mudar o padrão pedagógico. Hoje estamos, salvo exceções, praticando uma escola brasileira que preparava o profissional do século 19, no máximo do século 20. É o decoreba, o enciclopedismo raso. […] A segunda, qual é? Eu tenho que motivar o professor. Aí começa de novo a União: diretrizes e bases da pedagogia, em audiência, melhores práticas internacionais, o melhor exemplo é a Coreia do Sul.”

“Na questão do orçamento, nós temos que ter clareza. Para motivar um professor, tem que mudar o orçamento da educação concretamente. Deixa eu dizer a todos os brasileiros que estão nos ouvindo: hoje, estamos com o menor investimento em educação dos últimos dez anos. Em cima disso, um teto de gastos que diz ‘eu só posso gastar no ano que vem, o Brasil estará obrigado a esse investimento criminosos mais a inflação, que vai cair’.”

Futuro do Fies

?O Fies, que o Lula criou, criou o maior conglomerado de educação privada do planeta Terra […] e nós temos aí quase 20 milhões de pessoas endividadas no começo da vida. Então é preciso tomar decisões. Nada contra o ensino privado, nada, mas o governo deveria concentrar o seu esforço em expandir o ensino público gratuito e de fazer o esforço de qualidade para que o ensino não fosse uma mentira cara e perigosa para a juventude. Essa é a meta?.

Federalização do ensino básico

“A ideia aqui não é subtrair nada. Pelo contrário, nós temos que, cada vez mais, radicalizar a autonomização dos municípios e dos estados para que eles tenham, operacionalmente, capacidade com a sua personalidade, com a sua manha local, com seus tratos culturais locais de fazer o ensino acontecer. Portanto, o que quero federalizar é só o padrão. Qual é a ideia? Você planeja uma escola ideal, com indicadores práticos. […] A ideia é que você pegue um padrão do Pisa, ou do Ideb, e estabelece em bases mesorregionais um processo de supervisão de avaliação, de controle e cooperação da União, dos estados e municípios. Como a gente faz no Ceará? Todo ano tem uma avaliação, cada escola tem seu processo pedagógico e suas metas. Quem cumpriu ganha até às vezes 13º, 14º, 15º, sobrando dinheiro, até 16º salário. Só tem prêmios.”

Reforma trabalhista

“Estou aprofundando com as centrais sindicais, estamos discutindo amadurecer um novo Código Brasileiro do Trabalho. A CLT [Consolidação das Leis do Trabalho] envelheceu, ela cumpriu um papel muito relevante mas não entende a disruptura do ‘home office’ ? nem expressões em português nós temos ? do trabalho por aplicativos. […] O eixo aqui é basicamente o seguinte: todas as convenções internacionais que o Brasil assinou com a Organização Internacional do Trabalho e que não colocou em prática. É o primeiro grande esqueleto, que está muito amadurecido. Depois, há um outro eixo que mandei pesquisar, que é todas as grandes questões que estão judicializadas.”

Saúde

?Primeiro, antes de mais recursos é preciso fazer um choque, essa é uma expressão que eu nem gosto muito, mas um choque de gestão […] Choque de gestão, mas, na verdade é o seguinte, você pode hoje padronizar e digitalizar o controle das contas do governo e hoje nós todos somos analógicos de propósito. Então, você tem claramente um posto de saúde, uma unidade básica de saúde, você tem os custos incorrentes, você pode botar tudo na internet e deixar tudo visível para todo mundo, depois você pode introduzir na remuneração global dos profissionais envolvidos na unidade de saúde uma avaliação do usuário […] Nós começamos a introduzir isso e vamos fazer determinados padrões, de novo, digitalizar, estabelece o padrão de eficiência indicadores epidemiológicos, indicadores materno-infantil são prioridades que a gente faz […] isto feito a corrupção desmonta ou, pelo menos fica residual.”

Segundo turno

“Eu gostaria muito que o Brasil se livrasse do Bolsonaro já no primeiro turno. Seria bom para o Brasil que nós pudéssemos votar num segundo turno, num debate entre eu e o Lula, em que a democracia estaria pacificada, tranquilizada e nós pudéssemos discutir o que aconteceu com esse maravilhoso povo para cair na mão de um crápula como o Bolsonaro, sabe? E o que nós podemos fazer para tirar o Brasil dessa estagnação econômica, tanta miséria, tanta pobreza, tanta violência, tanto abandono. Tanta inconfiabilidade nas suas lideranças, de um Congresso apodrecido.”

Relação com Lula

“Eu pago um preço caro em certos ambientes brasileiros, no Sul que me respeita. Mas eu sou visto como uma espécie de petista, de tanta ajuda que já dei ao Lula. Daqui pra frente, sabendo o que eu sei, falando o que eu falei, passa a ser cumplicidade. O Lula é o responsável maior, não é por nada não. Mas o maior responsável pela tragédia que está acontecendo no Brasil se chama Luiz Inácio Lula da Silva.”

“Não é provável que o Lula fique fora do segundo turno, o Lula tem 30% de fanáticos que ele pode bater na mãe, falar Jesus de palavrão e as pessoas relativizam, está aí acontecendo. Para uma certa burguesia brasileira de boa fé, parece que a única tarefa do Brasil é derrotar o fascismo. E o dia seguinte? E a fome, e o desemprego, o desastre generalizado que o país está vivendo?”

Segundo turno em 2018

“Primeiro, é preciso esclarecer ao povo brasileiro que isso é uma mentira do Lula. Eu estava aqui no segundo turno, tenho um documento disso, tenho meu papelzinho de recibo e votei no [Fernando] Haddad. Olha aí. Para quem não sabe, essa é uma mentira que o Lula fez para colocar em mim a responsabilidade dele, que produziu Bolsonaro. Ou você acha que 70% do povo de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Minas Gerais não votaram no Bolsonaro por que? Pelo amor de Deus, ele não tem humildade para reconhecer, se conectar com o nosso povo para reconciliar o Brasil. O nosso povo votou magoado contra a pior crise econômica da história do Brasil, que foi produzida pelo PT. O Bolsonaro está agravando tudo isso, mas essa crise que tá aí foi produzida pelo Lula, pelo PT e pela Dilma.”

Cenário eleitoral no Ceará

“Olha, o que tá acontecendo lá mais me dói do que me enfraquece. Me dói muito porque é um projeto. Estávamos conversando no bloco anterior sobre a edificação da educação pública. Se você fizesse um diagnóstico, a rede pública de saúde do Ceará hoje tem hospitais regionais sofisticados. Esse projeto construiu isso. Toda a rede de UPAs, toda a rede de policlínicas, sabe? A infraestrutura do Ceará hoje, o estado está se industrializando enquanto o Brasil destrói indústrias. É um projeto que tem resolvido problemas de um estado muito, muito pobre. Chegou o Lula lá recentemente e esbandalhou tudo. Saiu, sabe, amizade de 50 anos. Agora, sou do ramo, sou da luta. O partido lá tá organizando, tá unido, enfim, quem que vai fazer a campanha lá do Roberto Cláudio, que é o melhor disparado candidato.”

Polarização política

“O que que tá acontecendo no Brasil? Você tem duas figuras quentes, o Bolsonaro, que, se fala qualquer bobagem, tá no Jornal Nacional, todo mundo sabe quem é o Bolsonaro, para amar, para odiar etc etc. A outra figura quente, eterno candidato a presidente, 89, 94, 98, 2002, 2006, em 2010 bota a Dilma e não quer assumir responsabilidade nenhuma pela tragédia que aconteceu, bota o Michel Temer na linha de sucessão, depois se apresenta candidato sem poder e agora é candidato de novo. Então, um cara que todo mundo adora ou odeia e tem opinião sobre ele e tá surfando. São duas figuras quentes e eu estou tentando, fora das emoções de ‘fascista’, ‘quem é mais ladrão dos dois’, estou tentando mudar método. Vamos discutir as causas do problema, as terapias que o Brasil tem que celebrar.”

‘Orçamento secreto’

?Uma das gravíssimas tarefas que nós devíamos apalavrar nessas eleições, por isso, o debate é fundamental, é restaurar a autoridade da presidência da República brasileira que foi liquidada. Se vocês repararem, os brasileiros, a presidência da República virou testa de ferro da mesma quadrilha. […] O Collor governou com essa gente e foi cassado, o Fernando Henrique governou com essa gente e nunca mais o PSDB ganhou eleição nacional a ponto de chegar nessas eleições e não ter condições de disputar um candidato seu. O Lula governou com essa gente e foi parar na cadeia, a Dilma governou com essa gente e foi casada, o Michel Temer governou com essa gente e foi preso, Bolsonaro está governando com essa gente e está desmoralizado.”

“Qual é a minha proposta? Fazer uma proposta plebiscitária, pedir ao povo que ao votar em mim vote nas ideias, isso diminui muito a distância entre um presidente reformista, que nunca tivemos, e um congresso que tende a ser, não é propriamente picareta, conheço bem o Congresso, eu mesmo fui congressista […] Persistindo o impasse [sobre reformas], isso está escrito na Constituição, eu, com o apoio do Congresso e da maioria simples, mandarei, o que resistir, o que persistir de impasse a plebiscito, voto direto e popular. No meu governo, acaba a emenda de relator no primeiro dia?.

Sucessão na Câmara

“Eu jamais teria dito que eu não aceito o [Arthur] Lira presidente. Não sou ninguém para isso. Presidente da República, eu respeitarei a autonomia da Câmara, e o meu esforço será para mudar a hegemonia moral e intelectual dos rumos do Brasil. Portanto, eu atuarei como militante partidário, aí sim, como militante partidário, no que eu me eleja, eu vou tratar de costurar ampla maioria, sistêmica, para a minha governança. As reformas, eu não quero sistematizar acordo com todo mundo, porque as reformas têm que ser construídas por consenso.”

Reeleição

“Eu não quero a reeleição. Vou trocar a minha reeleição, possível, pela reforma que o Brasil precisa. Isso desmonta esse antagonismo, me tira da síndrome da convivência, do medo de impeachment. Não vai ter comigo. Porém, eu vou me entender com o Parlamento. Por favor, me entendam bem. Eu sou um velho parlamentar, sabe, vou me entender com o Parlamento. Vou negociar, vou compor, vou encher o meu governo, sabe? Meu governo vai ser um governo parlamentarista. Vou sistematizar uma grande maioria. Mais ou menos o desenho do meu governo é o desenho que o Tancredo Neves fez e morreu.”

Eleições e democracia

?Veja eu estou em todas as iniciativas, todas, em defesa da democracia, desde que eu entrei na luta política, eu venho do movimento estudantil, dos anos 70. Para mim a democracia é como o ar que eu respiro. Agora, eu tento ponderar para os brasileiros que a gente tem que tomar cuidado com duas coisas: primeiro, o Bolsonaro: não tem como explicar, sabe a contradição orgânica de um cara que se elegeu denunciando a corrupção do PT e que virou, com os mesmos atores, um grande corrupto; ele não tem como explicar o colapso econômico que ele prometeu com Paulo Guedes, com a racionalidade liberal e tal, com o governo trágico que ele está fazendo na economia brasileira; ele não tem como explicar a inflação […] então, é um desastre social, é um desastre econômico, é um desastre moral, os filhos tudo envolvido em ladroeira, as esposas envolvidas em roubalheira […] ele não tem como explicar, então, ele tem que inventar esses espantalhos para ‘coesionar’ a tropa dele.”

“[…] Entretanto, digo sempre, na cabeça delirante do Bolsonaro, está sim a ideia do golpe […] nós democratas temos que estar absolutamente atentos e dizer com todos os s e r que nós não aceitaremos o golpe, por quê? Porque eu tenho contatos dos 16 comandos do exército, 12 são legalistas, quatro são vulneráveis ao apelo do Bolsonaro, mas basta ter um legalista para não ter o golpe, então o exército não está nessa. O mundo econômico, pela assinatura do Roberto Setubal, do Moreira Salles, e tal, também não está nessa. A comunidade internacional, os americanos […] já estão dizendo que tem que respeitar o resultado das eleições. Então não haverá golpe. Agora isso quer dizer que o Bolsonaro no delírio dele não vai tentar? Precisamos estar atentos e mostrar para ele que ele vai para cadeia se ele fizer qualquer coisa que viole a Constituição.”

Recompra de ações da Petrobras

“Hoje, temos 50% de capital controlador da União. Quero levar isso a 60%. Portanto, o cálculo é só 9,5%. Como sou sério e transparente, o fato relevante é: ao anunciar que vou mudar a política de preços da Petrobras, no curto prazo, as ações tendem a cair. O que pretendo fazer? Imediatamente, na contramão dessa queda, provocada por uma decisão do controlador como fato relevante, eu anuncio com um edital, no mesmo dia do anúncio da troca de política de preços de importação, que é criminosa, podemos aprofundar a discussão sobre isso, para anunciar que o controlador, que é o responsável por essa decisão, comprará as ações de quem quiser vender, em leilão reverso. […] Para que isso? Para que possamos nos assenhorear da Petrobras e convertê-la na maior empresa de energia limpa do mundo, porque ela hoje não está fazendo, na contramão de todas as grandes petroleiras do mundo.”

Política de preços da Petrobras

“Todo monopólio, o preço é administrado pelo governo. Na literatura e na prática. Por quê? Porque a lógica do mercado não existe em ambiente de monopólio. Qual é a lógica do mercado? Que os preços não devem ser controlados porque o mercado, ao concorrer, garante a eficiência ótima para o consumidor e, vamos dizer, a lucratividade razoável para o fornecedor. Ora, a Petrobras é um monopólio na prática, não está mais na lei, mas é um monopólio na prática. […] Então, sim, ela terá um preço administrado pelo governo, como a tarifa de energia elétrica. Não é um preço administrado pelo governo? […] Eu sou a favor da competição. O preço deve ser firmado na concorrência. Agora, monopólio o preço há de ser administrado pelo governo.”

Paridade internacional do petróleo

“A estrutura de custos é uma planilha. O salário dos petroleiros, é em real. Os impostos, real. Logística, real. É só localizar numa planilha de custos qual é o componente. Deixa eu te explicar o que eles estão fazendo: é criminoso mesmo… Não é figura de retórica não. O Brasil está importando 30% do óleo diesel. Esse diesel sai do golfo do México e vem com seguro, com frete, com a logística, e eles pegam esse preço dolarizado e extrapolam para o 70% do diesel que é produzido no Brasil em real. A despeito de haver componentes importados, que uma planilha de custos competente, que é simples de fazer, tem. Mas custo de frete e de seguro? Que é uma intrínseca questão que vem lá de fora. Isso é assalto à mão desarmada. Compreende? E você introduzir variação cambial para remunerar um ativo imobilizado “once and for all”, que é uma máquina que comprou. Desculpe, essa é uma questão difícil de explicar pro povo, mas eu sou muito treinado nesses assuntos. Isso não existe em lugar nenhum do mundo. Acredite, brasileiro, você está sendo assaltado pela Petrobras.”

Reduzir número de endividados

?Primeiro o contexto, porque isso não pode parecer uma graça de um demagogo que quer se eleger com voto das pessoas. Estudando a questão do colapso do desenvolvimento brasileiro, eu descubro que quatro dos motores principais do crescimento econômico estão colapsados. A saber, o primeiro, 60% do PIB quando cresce é consumo das famílias porque a renda está no menor valor da série histórica, o desemprego está absolutamente exorbitante e o crédito colapsou, emprego e renda vem depois que a economia cresce. O único lugar onde posso fazer uma política pública criminosa, criativa, austera, séria, econômica e financeiramente sustentável é no crédito.”

“Qual é a ideia? A ideia é que você faça o seguinte: pega os grandes crediaristas ou as grandes agências de serviço público que são as inadimplências e faz o leilão reverso. Então, quem der o maior desconto, vem para frente da fila. Aí o Banco do Brasil vai financiar essas famílias, aval solidário, cada cinco se organiza, vão fazer o aval solidário, entrarão no programa rápido de educação financeira para não cair no endividamento, tudo isso são aperfeiçoamentos que eu estou tento da crítica, do projeto, […], mas eu refinancio, aí sim, eu troco os juros de 1500%, 8000%, 7000%, 332% para começar, por juros de 20%?.

Consignado para beneficiários de programas sociais

“Isto é uma indignidade sem precedentes, a mais indigna história. Nós mobilizamos o Congresso brasileiro, a oposição caiu nessa esparrela do Bolsonaro para declarar uma emergência constitucional e fazer um adiantamento de dinheiro para as pessoas comerem, de R$ 600. Se é para as pessoas comerem, a questão do fluxo aqui é essencial, porque as pessoas precisam comer todo dia. Não precisam comer nessa véspera de eleição e depois ficar com fome. Não estava ainda aprovada a lei, e esse Senado […] autorizou que o governo entregue o cadastro dos miseráveis brasileiros para os bancos fazerem empréstimo consignado com juro de 100%. Se isso não for caso de cadeia, eu não sei mais o que seria.”

Política externa

“Vamos recuperar, modernizado, o ideário do Barão do Rio Branco. Olha como isso é impressionante. O Barão do Rio Branco espelhando o que o José Bonifácio, a pessoa que por primeiro imaginou uma grande nação brasileira respeitada no mundo. Essa é minha visão. Eu quero que o Brasil seja uma grande nação do planeta respeitada e admirada pelo mundo, pela nossa contribuição.”

“Quais são os princípios? Mais modernos do que jamais. Não intervenção em assuntos domésticos dos outros países, solução pacífica dos conflitos, autodeterminação dos povos. Então, a Rússia invadiu a Ucrânia, não tem dúvida, condena a Rússia. Por quê? Porque tem dois princípios: não intervenção em assuntos domésticos e solução pacífica dos conflitos. E quando a diplomacia se guia por princípios, o mundo todo respeita.”

Compromissos com meio ambiente

“O Brasil tem um lugar natural de líder da questão ambiental, da proteção do planeta, da reação urgente contra as condições que estão causando as mudanças climáticas. É natural do Brasil, porque temos aqui os biomas absolutamente exóticos, extraordinários à luz do mundo. […] Então, o projeto nacional de desenvolvimento há de ser um projeto de desenvolvimento sustentável. Só que o meu desafio é transformar em coisas práticas no território e no elemento antropológico, as pessoas.”

“A ideia é que você estabeleça um zoneamento econômico-ecológico, validado localmente, com as populações tradicionais, os migrantes, com grande audiência internacional, e excelência técnica para que isso nasça forte. E não seja um documento tecnocrático, montado no eixo Brasília-São Paulo- Rio, que não pega. […] Uma vez, estabelecido o zoneamento, aqui pode, aqui não pode, nós temos que entrar na região com toda a ferramentaria: crédito, acesso a mercado, capacitação gerencial, associativismo para grande escala, propaganda, marketing para perfuração de mercados no mundo. […]. Mostrar que a floresta em pé vale mais do que isso. Entrar com uma farmacologia de base biotecnológica.”

Informalidade

?Eu vou fazer uma força central para formalizar o mercado de trabalho brasileiro. Existe um equívoco grosseiro agora, por exemplo, as estatísticas de desemprego estão cedendo. Quando você vai olhar, a classificação do IBGE considera que uma pessoa que trabalha 14 horas por dia em cima de uma motocicleta, carregando um caixote nas costas de aplicativo está empregado. Isso não é razoável. […] O que está acontecendo no Brasil é um negócio trágico, hoje se você pegar desalento, desemprego e informalidade, estamos chegando a 70%.?

Ministro da Defesa

“O ministro da Defesa será civil. Absolutamente, sem nenhuma dubiedade, nem vacilação. Será civil, porque é assim que as coisas têm que ser. Até para fazer o que nós precisamos fazer com as Forças Armadas. Fazê-las uma estrutura absolutamente profissional, altamente qualificada sob o ponto de vista tecnológico e capaz de sustentar um projeto nacional e de nos dar a tarefa de dizer não, quando os interesses brasileiros estiverem colidindo com a prepotência internacional.”

“Tem um problema grave de formação, que eu vou mexer nisso, e de promoção, vou mexer nisso também. Vou profissionalizar as Forças Armadas. Vai ser proibido militar ocupar cargo civil, cargo de político, na ativa. Quer participar da política, tira a farda, entra para reserva e é muito bem-vindo.”

Vice

“O União Brasil, que tem o Bivar como candidato, tem algumas alianças comigo […]. Então, eles pedem que eu deixe a porta aberta para, até o limite, do que é possível, a gente possa eventualmente chegar a um entendimento. Com o PSD, […] o PSD é liderado pelo Kassab, que é um velho amigo, já votou em mim em outra ocasião, e ele pede também que eu deixe a porta aberta, para que a gente calcule aí. […] Então vou levar até o dia 5 de agosto, que é o limite, essa porta aberta. Claro que, no aquecimento, estão vários companheiros habilitados do PDT, companheiras. Se depender de mim, eu gostaria de escolher uma mulher. Porque não basta falar bem das mulheres, mas é preciso repartir o poder com as mulheres e eu quero fazer esse gesto, como já fiz na eleição passada, com a grande brasileria, a senadora Kátia Abreu.”

VÍDEOS: notícias sobre política

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS