REDES SOCIAIS

23°C

Combates no Donbass atingem ‘intensidade máxima’, diz Ucrânia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Os combates no leste da Ucrânia atingiram sua “intensidade máxima” nesta quinta-feira (26), disseram autoridades do país, que continuam exigindo mais armas dos países ocidentais para combater os invasores russos.

Mais cedo, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e seu ministro das Relações Exteriores, Dmytro Kuleba, descreveram a superioridade das forças russas no Donbass, no leste do país, onde a ofensiva russa está agora concentrada, e pediram mais apoio militar aos países ocidentais.

“O inimigo é claramente superior em termos de equipamento e número de soldados” no Donbass, disse Zelensky. “Precisamos da ajuda de nossos parceiros e especialmente de armas.”


window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Os combates no leste do país e atingiram sua “intensidade máxima”, segundo a vice-ministra da Defesa ucraniana, Ganna Malyar, que alertou para uma fase “extremamente difícil” e “longa” do confronto.

Depois de não conseguirem controlar Kiev, as forças russas estão se concentrando no leste da Ucrânia, já parcialmente sob o controle dos separatistas apoiados pela Rússia desde 2014.

O exército russo agora tenta controlar a cidade de Severodonetsk, que tinha cerca de 100.000 habitantes antes da guerra. A cidade é fundamental para o controle total sobre o Donbass.

De acordo com Kuleba, “algumas cidades e vilarejos não existem mais” na região, que está sob forte bombardeio há dias.

“Foram reduzidos a ruínas pela artilharia russa, pelos sistemas russos de foguetes de lançamento múltiplo”, disse o ministro, acrescentando que esses são precisamente o tipo de armas que seu país precisa agora.

Segundo Sergei Haidai, governador da província de Lugansk, que fica na região do Donbass, a situação “é muito difícil” e “a próxima semana será decisiva”.

O governador informou que cerca de 15.000 pessoas permanecem em Severodonetsk e cidades vizinhas, e a maioria não quer sair apesar dos bombardeios incessantes.

“A tarefa é extremamente difícil na região de Lugansk porque tivemos três meses sob ataques constantes, bombardeios constantes e, agora, todas as forças russas estão posicionadas aqui e temos que conter essa horda”, disse hoje Haidai num vídeo publicado na rede social Telegram.

“Lentamente, os nossos homens estão se retirando para posições mais fortificadas. É muito difícil para os nossos homens [soldados ucranianos]. Extremamente difícil. Mas estão aguentando”, acrescentou Haidai.

Na cidade de Lisitchansk, a polícia assumiu o controle dos serviços funerários para enterrar os mortos, disse Haidai. Pelo menos 150 pessoas tiveram que ser enterradas em uma vala comum, segundo Haidai.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS