REDES SOCIAIS

35°C

Congresso dos EUA inicia investigação formal sobre possível impeachment de Biden

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos autorizou nesta quarta-feira (13) a investigação formal que pode levar a um processo de impeachment do presidente Joe Biden. Os republicanos já haviam começado um inquérito informal sobre o democrata, mas ainda não encontraram nenhuma irregularidade.

A câmara controlada pelos republicanos votou 221-212 segundo as linhas partidárias para aprovar a investigação, que está examinando se Biden se beneficiou indevidamente dos negócios de seu filho Hunter Biden, de 53 anos.

A Casa Branca disse que o inquérito é infundado e tem motivação política, pois Biden está se preparando para uma possível revanche nas eleições de 2024 com seu antecessor republicano, Donald Trump.

Trump é o primeiro presidente na história dos EUA a sofrer impeachment duas vezes e está atualmente se preparando para quatro julgamentos criminais.

A votação ocorre três meses depois que os republicanos iniciaram informalmente a investigação e não é uma medida obrigatória para destituir um presidente ou outra autoridade do cargo.

Biden, em um comunicado, repreendeu os republicanos da Câmara por não priorizarem os problemas dos EUA, mas se esforçarem para desestabilizá-lo.

?Os republicanos da Câmara não estão se juntando a mim. Em vez de fazer qualquer coisa para ajudar a melhorar a vida dos americanos, eles estão focados em me atacar com mentiras?, disse Biden.

Real impacto

O esforço quase certamente não conseguirá remover Biden do cargo. Mesmo que a Câmara vote a favor do impeachment do presidente, o Senado terá então de votar para condená-lo pelas acusações por uma votação de dois terços ? uma quase impossibilidade numa câmara onde os colegas democratas de Biden detêm uma maioria de 51-49.

No entanto, a autorização poderia dar aos republicanos mais autoridade legal para forçar a administração de Biden a cooperar e poderia ajudar a combater as acusações dos democratas de que as acusações são ilegítimas.

Os republicanos da Câmara alegam que Biden e a sua família lucraram com as suas ações quando ele serviu como vice-presidente do presidente Barack Obama de 2009 a 2017 e que se concentraram nos empreendimentos comerciais do seu filho na Ucrânia e na China durante esse período.

Eles encontraram evidências de que o jovem Biden levou os clientes a acreditar que ele poderia fornecer acesso ao gabinete do vice-presidente. Mas não forneceram provas de que Biden tenha tomado quaisquer medidas oficiais para ajudar essas empresas ou que tenha se beneficiado financeiramente.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS