REDES SOCIAIS

33°C

Conselho de Administração da Petrobras dá sinal verde para aumento de combustível

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Em reunião extraordinária nesta quinta-feira (16), o Conselho de Administração da Petrobras deu sinal verde para o aumento de combustível. O reajuste deve ser só para o diesel e deve superar 10%. A empresa ainda vai definir o tamanho do aumento e a data para anunciar a decisão.

Segundo apurou o blog, a reunião convocada pelo presidente do Conselho de Administração da estatal, Márcio Weber. Durante a reunião, os conselheiros ligados ao governo tentaram convencer a empresa a segurar o aumento.

Só que a diretoria relatou o teor das conversas realizadas com o governo nos últimos dias, quando a equipe do presidente Jair Bolsonaro não aceitou conceder um subsídio para a estatal e para importadores privados trazerem o diesel mais caro no exterior e vendê-lo no Brasil com um valor mais baixo.


window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Segundo a diretoria disse ao conselho, a única forma de evitar o aumento seria a concessão do subsídio, o que não foi autorizado pelo governo.

Sendo assim, o comando da estatal disse que, se segurasse o aumento, teria de importar diesel mais caro e causar prejuízo para a estatal, gerando risco de falta do produto ou ações contra a empresa na Justiça.

Em dado momento, a diretoria perguntou se o conselho iria autorizar essa operação que poderia gerar ações contra a diretoria e contra os próprios conselheiros. Diante da resposta negativa, um integrante da reunião disse que foi “restituído à diretoria o poder de decidir se dará ou não o aumento”.

Aumento deve sair nos próximos dias

Segundo apurou o blog, o reajuste pode ser anunciado inclusive nesta sexta-feira (17), mas dependerá de últimas avaliações da diretoria.

Segundo membros da diretoria, a defasagem entre os preços internacionais e o praticado pela Petrobras supera atualmente os 20% no caso do diesel. Já a defasagem no preço da gasolina caiu para cerca de 5%, depois de medidas adotadas pelos Estados Unidos.

Insatisfação de Bolsonaro

Bolsonaro, já há algumas semanas, decidiu apontar a Petrobras como a vilã pela disparada no preço dos combustíveis no país. Ele teme que a inflação, em especial de itens como gasolina e diesel, comprometam sua imagem junto ao eleitorado e a sua tentativa de reeleição.

Para Bolsonaro, a Petrobras deveria segurar os preços. Ele tem criticado os sucessivos lucros da empresa.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS