REDES SOCIAIS

18°C

Coreia do Norte executou homem por ouvir K-pop, aponta relatório

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O Relatório de 2024 sobre os Direitos Humanos da Coreia do Norte, divulgado na quinta-feira (27) pelo Ministério da Unificação da Coreia do Sul, compila testemunhos de 649 desertores norte-coreanos.

Entre eles, o caso de um jovem de 22 anos que foi executado publicamente por ver e partilhar filmes e música sul-coreanos. Documento relata tentativas desesperadas de Pyongyang de conter o fluxo de informação e cultura externas.

De acordo com o depoimento de um desertor não identificado, o jovem era da província de Hwanghae do Sul e foi executado publicamente em 2022 por ouvir 70 canções sul-coreanas, assistir a três filmes e distribuí-los, violando uma lei norte-coreana adotada em 2020 que proíbe “ideologia reacionária” e cultura?.

Outros casos de repressão incluem punições para noivas usando vestidos brancos, noivos carregando a noiva, usando óculos escuros ou bebendo álcool em taças de vinho ? todos vistos como costumes sul-coreanos.

O relatório detalha os extensos esforços das autoridades norte-coreanas para controlar o fluxo de informação externa, especialmente dirigida aos jovens.

Ainda de acordo com o documento, telefones celulares também são frequentemente inspecionados quanto à grafia dos nomes dos contatos, expressões e gírias consideradas de influência sul-coreana. Embora ambas as Coreias partilhem a mesma língua, surgiram diferenças sutis desde a divisão entre sul e norte.

A proibição do K-pop faz parte de uma campanha para proteger os norte-coreanos da influência ?maligna? da cultura ocidental que começou sob o antigo líder Kim Jong-il e se intensificou sob o seu filho Kim Jong-un.

Em 2022, a Rádio Free Asia, financiada pelo governo dos EUA, disse que o regime estava a reprimir a moda e os penteados ?capitalistas?, visando jeans skinny e t-shirts com palavras estrangeiras, bem como cabelos tingidos ou longos, afirmou.

Especialistas dizem que permitir que a cultura popular sul-coreana se infiltre na sociedade norte-coreana poderia representar uma ameaça à ideologia que exige lealdade absoluta à ?infalível? dinastia Kim que governa o país desde a sua fundação em 1948.

Apesar destas medidas duras, a influência da cultura sul-coreana, incluindo programas de televisão recentes, parece imparável, de acordo com um recente desertor norte-coreano.

?A velocidade com que a cultura sul-coreana influencia a Coreia do Norte é muito rápida. Os jovens seguem e copiam a cultura sul-coreana e adoram tudo o que é sul-coreano?, disse uma mulher de cerca de 20 anos que desertou da Coreia do Norte aos jornalistas num briefing em Seul.

Mesmo com a fronteira com a China praticamente fechada após o surto da Covid-19, a informação ainda está a infiltrar-se e a ser distribuída através de redes informais.

Nas últimas semanas, a Coreia do Norte enviou milhares de balões através da fronteira contendo resíduos, em retaliação ao lançamento de balões vindos do Sul, cuja carga inclui panfletos anti-Pyongyang, notas de dólar e pen drives carregados com K-pop e K-dramas.

?Depois de assistir a dramas coreanos, muitos jovens se perguntam: ?Por que temos que viver assim??? Achei que preferia morrer a viver na Coreia do Norte?, disse o desertor aos repórteres.

A mulher, que escapou da Coreia do Norte num barco de madeira em Outubro passado, também esclareceu o ressentimento oculto contra o regime.

?É claro que não podemos dizer nada de ruim contra Kim Jong-un publicamente, mas entre amigos próximos, amantes ou familiares, dizemos essas palavras?, afirmou ela.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS