REDES SOCIAIS

16°C

CPI dos Atos Golpistas: parlamentares se reúnem para instalar comissão que vai investigar 8 de janeiro

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Foi aberta na manhã desta quinta-feira (25) a sessão de instalação da CPI mista que vai investigar os atos golpistas de 8 de janeiro. Inicialmente, a sessão foi presidida pelo senador Otto Alencar (PSD-BA), mais velho entre os integrantes.

O encontro desta manhã prevê a eleição de presidente, vice-presidente e relator da comissão. Os nomes cotados para os cargos são, respectivamente: o deputado Arthur Maia (União-BA), a senadora Eliziane Gama (PSD-MA) e o senador Cid Gomes (PDT-CE).

LEIA TAMBÉM:

Próximos passos

Os trabalhos de CPIs podem durar 90 dias, prorrogáveis por mais 90 dias ? ou seja, a comissão pode durar até seis meses.

A CPI pode aprovar a quebra de sigilos de investigados e pedir, ao final dos trabalhos, o indiciamento de suspeitos.

Com a instalação, e a posterior definição de presidente e relator da CPI, a comissão deve passar à fase de elaboração do plano de trabalho, definindo, por exemplo:

  • dias e horários das sessões;
  • em quais sessões serão votadas os requerimentos;
  • em quais sessões serão ouvidos depoimentos.

Partidos da base aliada do governo e da oposição fizeram indicações, conforme o tamanho dos blocos.

Integrantes da base aliada de Lula avaliam ter maioria na comissão. Segundo o colunista do g1 Valdo Cruz, o governo calcula contar com cerca de 20 dos 32 integrantes da comissão.

Criação e investigação

A CPI mista, formada por deputados e senadores, foi criada há cerca de um mês, em 26 de abril, quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), leu em plenário o requerimento de criação.

Inicialmente, a comissão foi articulada por parlamentares que fazem oposição ao governo Lula.

Depois, em meio ao cenário em que foram divulgadas imagens do general Gonçalves Dias ? então ministro do Gabinete de Segurança Institucional ? interagindo com invasores no Planalto, o próprio governo passou a apoiar a criação da CPI.

Durante os atos golpistas de 8 janeiro, vândalos bolsonaristas radicais invadiram os prédios do Congresso Nacional, do Palácio do Planalto (sede do governo) e do Supremo Tribunal Federal (STF) e destruíram móveis, equipamentos de trabalho e vidraças, além de danificar diversas obras de arte.

Desde então, diversos vândalos foram presos (alguns já foram liberados, outros permanecem presos), denunciados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e até já se tornaram réus – ou seja, vão responder a ações penais na Justiça e podem ser condenados ou absolvidos.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS