REDES SOCIAIS

19°C

Cúpula do Congresso está incomodada com falhas do governo na articulação e pauta econômica pode travar

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Parlamentares estão incomodados com as falhas do governo na articulação política e sinalizaram que pautas importantes para o Palácio do Planalto podem ser represadas.

Na prática, os congressistas condicionam a votação de projetos à derrubada de vetos presidenciais não combinados com o Congresso.

Deputados ouvidos pelo g1 disseram que não ?querem nada? para votar as propostas prioritárias para o governo, apenas que os acordos fechados com os partidos sejam cumpridos.

Segundo um desses parlamentares, o que o governo combinou para ter governabilidade precisa ser cumprido e o ?prazo acabou?.

Arcabouço e Carf

O que incomoda os parlamentares são, principalmente, os vetos do governo a dispositivos do arcabouço fiscal e ao projeto que alterou as regras para julgamentos do Carf.

Congressistas reclamam que o governo tem agido para postergar as sessão do Congresso Nacional que vai analisar os vetos presidenciais na tentativa de mudar os acordos já fechados.

Com isso, avaliam que a MP 1185, que muda a tributação de subvenções de ICMS concedidos por estados a empresas e pode aumentar a arrecadação da União em R$ 35 bilhões, não será votada pelo plenário da Câmara nesta semana.

Leia também:

Esta matéria foi classificada pelo líder do governo no Congresso, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), como a prioridade das prioridades, nesta semana decisiva para o Planalto.

“Antes de quinta [data da sessão do Congresso para analisar os vetos], a 1185 não vota no plenário de jeito nenhum?, afirmou um dos deputados ouvidos pelo g1.

As críticas recaem sobre o ministro Alexandre Padilha, das Relações Institucionais.

Segundo os parlamentares, a promessa de pagamento de emendas ainda neste ano é ?conversa mole?, porque elas são obrigatórias. ?O que falta é o governo cumprir os acordos que fizeram?, se queixou um deputado.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS