REDES SOCIAIS

22°C

Desde 2020, Caixa é cobrada pelo Ministério Público a fazer apuração independente sobre assédio

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Investigações anteriores sobre denúncias de assédio na Caixa Econômica mostram que, pelo menos desde 2020, o Ministério Público do Trabalho (MPT) cobra do banco apurações independentes sobre as denúncias.

Em uma investigação sobre assédio em 2020, a que a GloboNews teve acesso, o MPT apontou que o banco estava ouvindo apenas funcionários próximos ao investigado. O MPT disse que a Caixa deveria ouvir pessoas de outros círculos dentro do banco e também contratar empresas externas para fazer as apurações.

Os mecanismos internos da Caixa para lidar com denúncias de assédio têm sido alvo de críticas nas últimas semanas, após a queda do ex-presidente Pedro Guimarães. Diversas funcionárias relataram ao Ministério Público e à imprensa que sofreram assédio sexual e moral de Guimarães e que os casos eram acobertados dentro do banco.

Nesta terça-feira (19), em um desdobramento da crise que levou à saída de Guimarães, a Caixa decidiu desvincular a corregedoria da presidência. A medida, segundo a Caixa, visa “reforçar a autonomia e isonomia da atuação da corregedoria”.


window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Cobranças antigas

Ainda em fevereiro de 2020, em uma investigação de assédio moral contra o ex-corregedor Cláudio Gonçalves Marques, o MPT apontou que havia indícios de interferência nas apurações internas do banco.

?Foram ouvidos apenas funcionários próximos ao Corregedor e ocupantes de cargos de gestão, em que se exige maior fidúcia, havendo necessidade de oitiva de empregados que trabalharam de forma subordinada ao sr. Cláudio Gonçalves Marques e hoje estão lotados em outros setores, mesmo que não sejam mais empregados da empresa pública, considerando a presunção de que estas pessoas não mais se sujeitam ao natural temor reverencial”, afirmou o MPT no inquérito.

O Ministério Público acrescentou que essas medidas deveriam ser adotadas também em “todas as denúncias de assédio apresentadas à Caixa Econômica Federal, garantindo-se, assim, a efetiva busca da verdade real em suas investigações?.

Dois meses depois, em abril daquele ano, o MPT mandou a Caixa reabrir a apuração interna com base nas recomendações de ouvir outros funcionários e ex-empregados.

No dia 30 de julho de 2020, o procurador Paulo Neto pediu que ?a denúncia apresentada contra o corregedor seja apurada por pessoas externas à Caixa Econômica, como escritórios de advocacia especializados neste tipo de serviço, com o intuito de elidir qualquer dúvida sobre a ausência de influência do investigado no processo de apuração”.

Após as medidas tomadas pela Caixa nesse caso específico, o procurador Paulo Neto alertou que as recomendações sobre mudanças na apuração de denúncias deveriam continuar sendo aplicadas em denúncias futuras.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS