REDES SOCIAIS

23°C

Em Davos, governador do Pará alerta: ‘Brasil está sendo visto com desconfiança’

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Em Davos (Suíça) durante toda a semana, o governador Helder Barbalho (MDB), do Pará, diz ter identificado forte preocupação de investidores estrangeiros com a gestão ambiental no Brasil.

O governador paraense participa no Fórum Econômico Mundial de encontros com investidores, além de um painel com o presidente da Colômbia, Iván Duque, sobre a situação da região amazônica na América do Sul.


window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

?O Brasil está sendo visto com desconfiança. Se a gente não reagir, haverá restrições e embargos a produtos brasileiros. A imagem do Brasil não está boa por aqui?, disse Helder Barbalho ao Blog por telefone.

Segundo ele, “a instabilidade política no país é tamanha? que tem gerado muita preocupação internacional, afirmou, em referência às ameaças feitas do presidente Jair Bolsonaro ao processo eleitoral brasileiro.

?Hoje, há questionamentos: se o compromisso assumido pelo Brasil com as metas estabelecidas pela COP-26 será cumprido. O problema é saber se os compromissos assinados serão revertidos em ações concretas ? e se isso será revertido em entrega?, ressaltou Helder Barbalho.

Diante das preocupações de investidores, o governador do Pará apresentou ações estaduais, entre as quais um programa de rastreabilidade do gado para dar um selo verde à carne exportada pelo estado.

?É preciso ter um cuidado com a possibilidade de embargo internacional com a carne produzida na Amazônia. Por isso, criamos uma rastreabilidade para a propriedade sustentável?, disse Helder Barbalho.

Ele também apresentou o plano Amazônia Agora com três eixos de ação: combate ao desmatamento, regularização fundiária e desenvolvimento sustentável da região.

?Preciso desmatar alguma coisa para ser o maior produtor do Brasil? Tenho que mudar a lógica para a aumentar a produtividade das áreas já existentes e com isso preservar a floresta?, afirmou.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS