REDES SOCIAIS

33°C

Equipe econômica defende bloqueio de verbas em julho para mostrar compromisso com equilíbrio das contas públicas

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

A equipe econômica vai defender que o governo faça um bloqueio de verbas em julho para mostrar o compromisso com o equilíbrio das contas públicas.

O montante do bloqueio (contingenciamento de verbas) a ser apresentado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vai ser definido em julho.

As primeiras projeções apontam para um valor na casa de R$ 20 bilhões.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Além disso, a decisão de definir a meta de inflação contínua de 3% em 2025 também integra a estratégia de acalmar o mercado e reduzir as pressões do dólar sobre a inflação.

O governo quer evitar uma inflação em alta no segundo semestre deste ano, o que prejudicaria o ritmo da economia e atrasaria ainda mais a retomada dos cortes nas taxas de juros pelo Banco Central.

A oficialização da meta contínua de inflação de 3%, avalizada nesta terça-feira (25) pelo presidente Lula em reunião com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, será feita nesta quarta-feira (26) em reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN).

O CMN já havia aprovado para este ano a nova sistemática para a meta de inflação, mas ela só foi confirmada nesta terça pelo presidente Lula para este ano.

O presidente Lula tem resistido a autorizar contingenciamento de verbas do Orçamento, segundo ele para evitar cortes em investimentos de programas sociais e em infraestrutura.

Só que as despesas previdenciárias e nas áreas de saúde e educação têm crescido bem acima do ritmo das receitas, o que vai levar a equipe econômica a propor o bloqueio de verbas em julho, quando for analisar o relatório de receitas e despesas do bimestre maio e junho.

A meta de 3% segue tendo um intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima e para baixo. Mas o horizonte de cumprimento vai ser alterado.

De ano-calendário, janeiro a dezembro, para meta contínua, num prazo de dois a três anos. O BC teria mais tempo para levar a inflação para o centro da meta, evitando uma política mais rígida para ancorar a inflação.

Hoje, na prática, o Banco Central já mira uma inflação além do ano-calendário. A interrupção na queda de juros, tomada pelo Comitê de Política Monetária na semana passada, já teve o objetivo de evitar uma desancoragem da inflação não só neste ano mas principalmente em 2025.

Com essas medidas, a equipe econômica deseja sinalizar que não haverá uma flexibilização na política econômica, mas sim uma rigidez para acalmar o mercado e, principalmente, baixar o valor do dólar. Evitando, assim, pressões inflacionárias e o risco de o Banco Central demorar muito mais do que o desejável a retomar o ciclo de corte da taxa de juros, mantida em 10,5% ao ano pelo Copom na semana passada.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS