REDES SOCIAIS

19°C

Espionagem da Abin: o que a operação ‘Vigilância Aproximada’ já revelou

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Sob holofotes desde o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) agora está no centro de uma investigação da Polícia Federal que apura o uso ilegal de uma ferramenta de espionagem chamada FirstMile ? o programa israelense foi comprado no fim do governo do ex-presidente Michel Temer (MDB), a poucos dias da posse de Bolsonaro, e usado até maio de 2021.

A operação “Vigilância Aproximada” aponta que, durante o governo Bolsonaro, a Abin teria beneficiado a família do ex-presidente com informações que poderiam auxiliar seus filhos com informações privilegiadas, e que também teria sido usada para monitorar, ilegalmente, autoridades e pessoas envolvidas em investigações.

Até o momento, a operação teve dois principais alvos:

  • Alexandre Ramagem, deputado federal pelo Rio de Janeiro e que chefiou a Abin de julho de 2019 a março de 2022
  • Calos Bolsonaro, vereador pelo Republicanos do Rio de Janeiro e filho de Jair Bolsonaro

A investigação já apontou que há indícios de que a Abin tenha atuado ilegalmente em:

  • apuração sobre o caso das ‘rachadinhas’ no gabinete de Flavio Bolsonaro, senador e filho de Bolsonaro
  • investigação sobre tráfico de influência contra Jair Renan Bolsonaro, também filho do ex-presidente
  • suspeita de que Carlos recebia informações por meio de seus assessores da “Abin paralela”
  • ações de inteligência para descredibilizar as urnas eletrônicas
  • monitoramento de promotora do caso Marielle Franco
  • vigilância dos ex-deputados Rodrigo Maia e Joice Hasselmann
  • espionagem do ministro da Educação, Camilo Santana, quando ele era governador do Ceará
  • suposta ação para associar autoridades a facção criminosa

A operação também já mostrou que:

  • a espionagem ilegal atingiu 30 mil pessoas e os dados foram guardados em Israel
  • quatro computadores, seis celulares e 20 pendrives foram apreendidos em endereços de Ramagem (havia um notebook e um celular da Abin entre os objetos apreendidos)
  • dez celulares, três computadores, uma arma e um HD externo foram apreendidos na casa de Giancarlo Gomes Rodrigues, que foi assessor de Ramagem
  • a PF teria apreendido também um computador da Abin com Carlos. O blog da Daniela Lima apurou a informação com uma fonte ligada à operação, mas a PF nega oficialmente.

O que é a Abin? a Abin é o “órgão central”, responsável por “planejar, executar, coordenar, supervisionar e controlar as atividades de inteligência” do Brasil. O órgão é chefiado por um diretor-geral, nomeado pelo Presidente da República e aprovado pelo Senado.

“Abin paralela”: em 2020, durante entrevista ao “Roda Viva”, da TV Cultura, Gustavo Bebianno, ex-ministro de Bolsonaro, disse que Carlos Bolsonaro surgiu “com o nome de um delegado federal e de três agentes que seria uma Abin paralela”. Bebianno morreu após um infarto ainda em 2020.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

O que dizem os alvos: em entrevista à GloboNews, Ramagem negou que tenha cometido irregularidades. “Nós da direção da Polícia Federal, policiais federais que estavam comigo, nunca tivemos a utilização, execução, gestão ou senha desses sistemas”, disse Ramagem.

Carlos não havia se pronunciado sobre a operação até a última atualização desta reportagem.

O que dizem os outros citados: também à GloboNews, Flavio negou ter recebido informações da Abin e disse que alegação é “absurdo completo”.

Jair Renan não se pronunciou.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS