REDES SOCIAIS

22°C

?Esse maníaco de Sorriso não merece viver, pena de morte é pouco?, diz Faissal Calil

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

@media only screen and (max-width: 767px) {
.img-wrapper {
margin-bottom: 5px;
}

.content-title {
margin-bottom: 10px;
}
}

O deputado estadual Faissal Calil (Cidadania) endossou o diálogo da implantação da pena de morte e prisão perpétua para Gilberto dos Anjos, apontado como o assassino do quádruplo feminicídio ocorrido na última sexta-feira (25), em Sorriso (396 km de Cuiabá) que vitimou uma mãe, Cleci Calvi Cardoso, de 46 anos, e suas filhas, Miliane Calvi Cardoso, de 19 anos, Manuela Calvi Cardoso, 13 anos, e Melissa Calvi Cardoso, de 10 anos. As vítimas foram degoladas e estupradas por ele enquanto elas ainda agonizavam.

Para o parlamentar, não existe ressocialização para presos com reincidentes criminais, principalmente os latrocidas e feminicidas, por isso defende que no Brasil sejam aplicadas penas mais duras.

“Temos que pensar nas decisões judiciais, principalmente na questão da ressocialização. Eu gosto muito, mas quando ela é reincidente mostra que ela não quer ressocializar. Esse rapaz que cometeu o crime lá em Sorriso, ele é maníaco, ele não merece viver. Pena de morte é pouca, me desculpe, mas esse cara nunca vai regenerar. Essa é a minha opinião”, explicou Faissal em entrevista ao Conexão Poder.

Gilberto dos Anjos antes de cometer a chacina, já tinha mandatos em aberto por crimes de estupro e tentativa de homicídio. Fora outra acusação de que o suspeito tenha cometido assassinato do jornalista Osni Mendes, em 22 de dezembro de 2013 na cidade de Mineiros, sul de Goiás. Na ocasião, Osni foi morto enforcado, após ficar desacordado em uma luta corporal com o assassino.

Gilberto ficou preso pela morte de Osni por mais de 160 dias. Mas, em junho de 2014, conseguiu um relaxamento de prisão, por excesso de prazo na conclusão do inquérito policial.

Gilberto voltou à liberdade e, quando intimado novamente para prestar esclarecimentos, não foi mais encontrado. A Justiça decidiu expedir novamente um mandado de prisão preventiva contra ele, em 24 de janeiro de 2018, mas a ordem nunca chegou a ser cumprida.

Em 17 de setembro deste ano, Gilberto cometeu um outro crime contra uma vizinha, no bairro Rio Verde, em Lucas do Rio Verde (332 Km de Cuiabá). Na ocasião, o pedreiro estuprou e tentou degolar a vítima, porém fugiu numa bicicleta, deixando a mulher em estado de choque e com cortes no pescoço.

Fonte: Isso É Notícia

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS