REDES SOCIAIS

28°C

Ex-AGU foi consultado não uma, mas duas vezes por Planalto sobre trama golpista ?e rechaçou

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Relatos internos da Advocacia-Geral da União (AGU) corroboram a versão apresentada pelo ex-comandante da Aeronáutica Batista Júnior à Polícia Federal sobre a reunião em que Jair Bolsonaro teria consultado as Forças Armadas e a AGU sobre a possibilidade de decretar Estado de Sítio e outros instrumentos jurídicos de maneira deturpada para não passar a Presidência a Lula.

No depoimento à Polícia Federal, o comandante da Aeronáutica relatou em detalhes a reunião. Segundo ele, ao ouvir o plano de Bolsonaro, o então advogado-geral, Bruno Bianco, disse claramente não havia viabilidade jurídica para a empreitada.

Segundo registrado por ex-integrantes do órgão, o relato do comandante é verdadeiro. Mas há mais. Mensagens encontradas no celular do ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, Mauro Cid, mostram que esta não foi a única tentativa do Planalto de encontrar abrigo na AGU para teses golpistas.

Todo o conteúdo do aparelho telefônico de Cid está nas mãos da PF.

Antes da reunião presencial do ex-AGU com Bolsonaro, Cid encaminhou a Bruno Bianco um arquivo intitulado ?Análise Ideias Ives Gandra.docx?. Como mostrado nos depoimentos e na investigação da PF, teses deturpadas de Gandra sobre o artigo 142 da Constituição foram usadas para abrigar aspirações golpistas.

Além do arquivo, Cid envia ainda um áudio de 25 segundos, onde solicita que o AGU analise o material de Gandra.

A resposta registrada é a seguinte: ?Cid, sinceramente, esse tipo de coisa não me parece que deve ser levada ao presidente. Ele tem que agir, como sempre diz, ?dentro das quatro linhas?. E isso não é uma leitura correta da constituição?.

Bianco prossegue, indicando que logo em seguida estaria pessoalmente com Bolsonaro. ?Logo mais estaremos com ele, e vamos ouvi-lo, tentar acalmar e orientá-lo da melhor maneira possível.?

Segundo o advogado de Cid, Cezar Birtencourt, os depoimentos dos ex-comandantes das Forças não só corroboraram, como ampliaram as indicações do ex-ajudante de ordens sobre a tentativa de golpe. ?Muito ele não sabia pois era tratado em patente acima da dele.?

Pela colaboração, Cid espera não ser denunciado no Supremo.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS