REDES SOCIAIS

28°C

Governo vai retomar imposto de importação de veículos elétricos para ‘estimular indústria nacional’

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

A Câmara de Comércio Exterior (Camex), formada por representantes dos ministérios da área econômica do governo federal, decidiu retomar o imposto de importação para carros elétricos, híbridos e híbridos plug-in comprados fora do país, assim como para 73 produtos químicos.

Para os carros elétricos, a taxação voltará a partir de janeiro de 2024.

?O Brasil é um dos principais mercados automobilísticos do mundo. Temos de estimular a indústria nacional em direção a todas as rotas tecnológicas que promovam a descarbonização, com estímulo aos investimentos na produção, manutenção e criação de empregos de maior qualificação e melhores salários?, afirmou o vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, a Camex estabeleceu uma retomada gradual das alíquotas, e criou cotas de isenção para importações até 2026 (veja detalhes abaixo).

Em dezembro, o governo diz que será publicada portaria para disciplinar a distribuição dessas cotas entre os importadores e permitir a entrada de novas empresas.

Segundo Alckmin, a transição da indústria automobilística mundial para a eletrificação é uma ?realidade incontornável?.

?É chegada a hora de o Brasil avançar, ampliando a eficiência energética da frota, aumentando nossa competitividade internacional e impactando positivamente o meio ambiente e a saúde da população?, acrescentou Alckmin.

Imposto de importação

O governo informou que as porcentagens de ?retomada progressiva? de tributação para os automóveis vão variar com os ?níveis de eletrificação? e com os processos de produção de cada modelo, além da produção nacional.

  • no caso dos carros híbridos, a alíquota do imposto começa com 12% em janeiro de 2024; 25% em julho de 2024; 30% em julho de 2025; e alcança os 35% apenas em julho de 2026.
  • para híbridos plug-in, serão 12% em janeiro, 20% em julho, 28% em 2025 e 5% em 2026. Para os elétricos, a sequência é 10%, 18%, 25% e 35%.

Para ?automóveis elétricos para transporte de carga?, ou caminhões elétricos, que começarão com taxação de 20% em janeiro e chegarão aos 35% já em julho de 2024. ?Nesse caso, a retomada da alíquota cheia é mais rápida porque existe uma produção nacional suficiente?.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Cotas

O governo explicou, porém, que as empresas também têm até julho de 2026 para continuar importando com isenção até determinadas cotas de valor, também estabelecidas por modelo.

  • Para híbridos: cotas de US$ 130 milhões até julho de 2024; de US$ 97 milhões até julho de 2025; e de US$ 43 milhões até julho de 2026.
  • Para híbridos plug-in: US$ 226 milhões até julho de 2024, US$ 169 milhões até julho de 2025 e de US$ 75 milhões até julho de 2026.
  • Para elétricos: nas mesmas datas, respectivamente US$ 283 milhões, US$ 226 milhões e US$ 141 milhões.
  • Para os caminhões elétricos: US$ 20 milhões, US$ 13 milhões e US$ 6 milhões.

De acordo com Geraldo Alckmin, a deliberação de hoje representa um real incentivo para que novas indústrias se instalem ou iniciem produção de veículos eletrificados, gerando emprego e renda.

?A sustentabilidade é garantida pelo privilégio às tecnologias de baixo carbono?, concluiu.

Produtos químicos

No caso dos produtos químicos, o governo informou que a retomada do imposto de importação visa ?reverter impactos negativos causados à indústria nacional, em razão do expressivo aumento das importações e da forte variação de preços?.

?O setor registra que o volume de importações sobre a demanda interna cresceu 47% entre janeiro e agosto deste ano, comparado a igual período do ano passado?, explicou o Ministério do Desenvolvimento.

Com a volta das tarifas normais, que haviam sido reduzidas em maio deste ano, o imposto de importação sobre os 73 produtos químicos subirá entre 0,4 e 1,4 ponto percentual.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS