REDES SOCIAIS

21°C

Hamas divulga vídeo que mostra dois reféns detidos em Gaza

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

O Hamas divulgou, neste sábado (27), um vídeo que mostra dois reféns vivos, parte do grupo mantido em cativeiro na Faixa de Gaza desde os ataques a Israel em 7 de outubro de 2023.

O Fórum de Famílias de Reféns e Desaparecidos de Israel identificou os dois homens como Omri Miran, de 47 anos, e Keith Siegel, de 64, sequestrados durante o ataque dos milicianos islamistas no sul do país. Siegel também tem nacionalidade americana.

A organização considerou que a divulgação desse vídeo deveria motivar o governo de Benjamin Netanyahu, que está em negociações indiretas com o Hamas para uma trégua em Gaza, a aumentar seus esforços para libertar todos os reféns.

“A prova de vida de Keith Siegel e Omri Miran é a evidência mais clara de que o governo israelense deve fazer tudo o que for possível para aprovar um acordo para o retorno de todos os reféns antes do Dia da Independência” em 14 de maio, afirmou.

“Os sobreviventes devem retornar para sua recuperação e os assassinados devem receber um sepultamento digno.”

No ataque de 7 de outubro de 2023, comandos islamistas sequestraram cerca de 250 pessoas, das quais aproximadamente 100 foram libertadas durante uma trégua de uma semana no fim de novembro. Israel estima que 129 reféns permanecem em Gaza, dos quais 34 teriam morrido desde então.

Pressão sobre Netanyahu

O vídeo é divulgado três dias depois de outro que mostrava o refém Hersh Goldberg-Polin, de 23 anos. Os reféns parecem falar sob coação.

“Estou aqui no cativeiro do Hamas há 202 dias. A situação é desagradável, difícil e são muitas bombas”, afirma Miran, o que indicaria que as imagens foram gravadas no início desta semana.

“É hora de chegar a um acordo que nos tire daqui sãos e salvos… Continuem protestando, para que haja um acordo agora”, acrescenta.

Siegel, que também aparece no vídeo, se emocionou ao falar sobre o cativeiro. “Aqui estamos em perigo, há bombas, é estressante e assustador”, afirmou chorando.

“Quero dizer à minha família que a amo muito. Para mim, é importante que saibam que estou bem”, acrescentou.

“Tenho lembranças muito bonitas do Pessach [Páscoa judaica] do ano passado, que celebramos juntos. Realmente espero que tenhamos a melhor surpresa possível”, acrescentou, apelando a Netanyahu para concluir rapidamente um acordo.

Siegel também disse ter visto imagens das manifestações em Israel reivindicando um acordo que permita a libertação dos reféns. “Espero e acredito que vocês continuem” protestando, acrescentou.

No vídeo, as Brigadas Ezzedine Al Qassam, braço armado do Hamas, acrescentaram frases em hebraico.

“A pressão militar não conseguiu libertar seus filhos cativos”, afirma uma das mensagens, em referência à ofensiva israelense. “Façam o que deve ser feito antes que seja tarde demais”, adverte outra.

Além dos sequestros, os milicianos do Hamas mataram 1.170 pessoas durante a incursão ao sul de Israel em 7 de outubro, a maioria delas civis, segundo uma estimativa feita pela agência de notícias France Presse (AFP) com base em dados oficiais israelenses.

Netanyahu, por sua vez, prometeu “aniquilar” o Hamas e lançou uma ofensiva aérea e terrestre que já deixou mais de 34 mil mortos em Gaza, segundo o Ministério da Saúde do território palestino, governado pelo Hamas desde 2007.

Manifestações

Uma multidão voltou às ruas de Tel Aviv neste sábado para exigir um acordo.

A esposa de Siegel e o pai de Miran participaram da manifestação, na qual foi exibido o vídeo enquanto os presentes entoavam palavras de ordem contra as autoridades, relatou um correspondente da AFP.

Dani, pai de Miran, pediu que o líder do Hamas em Gaza, Yahya Sinwar, chegue a um acordo.

“Todo o povo de Israel e as nações do mundo querem ver o fim do derramamento de sangue e, sobretudo, o fim do sofrimento de seu povo”, afirmou. “Por favor, um pedido: tomem uma decisão já.”.

Neste sábado, o Hamas se comprometeu a examinar uma contraproposta de Israel para o estabelecimento de uma trégua.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS