REDES SOCIAIS

33°C

?Infeliz é aquele que não escuta o povo na rua que clama por Botelho na prefeitura?, diz Júlio

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

@media only screen and (max-width: 767px) {
.img-wrapper {
margin-bottom: 5px;
}

.content-title {
margin-bottom: 10px;
}
}

JULIO E BOTELHO

 

O deputado estadual Júlio Campos (União Brasil) mandou indiretas para a direção estadual do partido que ainda não definiu o representante para a disputa do Palácio Alencastro nas eleições de 2024. Atualmente a agremiação possui dois nomes postulados para pleitearem a Prefeitura de Cuiabá: o secretário-chefe da Casa Civil, Fábio Garcia e o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho, quem Júlio Campos voltou a exaltar.

Durante uma entrevista ao Veja Bem MT nesta segunda-feira (12), o deputado disse que “infeliz” seria quem não ouvisse o “clamor” do povo e ignorasse que a melhor hipótese dentro da atual situação do partido seria lançar Botelho.

“O deputado Botelho é o melhor nome que o União Brasil tem para ir ao segundo turno e ganhar as eleições para prefeito de Cuiabá. Infeliz é aquele que não enxerga, ouve os clamores e vozes roucas que clamam Eduardo Botelho como prefeito e suceder a Emanuel Pinheiro”, conta Júlio.

Júlio ainda diz que se não fosse a “falta de senso” de alguns correligionários esse “impasse” estaria resolvido, pois seria de total discrição e unanimidade o apoio ao presidente da Assembleia Legislativa, mas preferem dar continuidade no “sonho” de Fábio Garcia.

“Com certeza se nosso partido tivesse bom senso mínimo já estava escolhido Botelho para 2024. Lamentavelmente temos uma discordância, já que Fábio Garcia também aspira candidatura. Tem todo direito, mas deveria aguardar um pouco mais para se lançar a prefeitura”, explica.

O cacique político finaliza sugerindo que Botelho estenda o prazo máximo de mais três meses para que a sigla defina candidatura e apenas em março escolha seu destino.

“Eu aconselho que ele estenda o prazo máximo até março do ano que vem, mês que começa a janela política e permite que vereadores troquem de partido sem punições. Só que não ocorre para deputados, precisaria da “carta de alforria”. Mas, se ele sentir que não tem condições de permanecer no União, busque outro caminho”, finaliza.

Fonte: Isso É Notícia

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS