REDES SOCIAIS

33°C

Lewandowski convida Andrei Rodrigues para permanecer na chefia da Polícia Federal

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O novo ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, convidou formalmente nesta quarta-feira (24) o delegado Andrei Rodrigues para permanecer à frente da direção da Polícia Federal.

A informação foi confirmada ao blog pelo ministro Lewandowski.

O convite foi feito após a primeira reunião de transição que ocorreu ontem no Ministério da Justiça.

Rodrigues é considerado nome de consenso entre atual gestão e a nova equipe que está sendo formada. O delegado liderou a corporação nas investigações envolvendo os atos golpistas e a crise nos territórios indígenas.

Lewandowski começou a montar a nova equipe do ministério poucos dias após aceitar o convite do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Desde então, já foram escolhidos a chefe de gabinete, o secretario Nacional de Segurança (Senasp) e o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Veja os escolhidos

Ana Maria Alvarenga Mamede
Chefe de Gabinete
Ana Maria trabalha com o novo ministro desde 2010. Já foi chefe de gabinete de Lewandowski no Supremo Tribunal Federal (STF) e trabalha no escritório de advocacia dele em Brasília.

Mario Sarrubbo Sarrubbo
Secretario Nacional de Segurança (Senasp)
Sarrubbo é procurador-geral de Justiça de São Paulo e comunicou o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), em 17 de janeiro, que aceitou o convite de Lewandowski. Ele é considerado “linha-dura” na segurança e tem 34 anos de experiência atuando no Ministério Público. A escolha é vista como positiva por ministros do STF, que apontam o procurador-geral como alguém com experiência na área e uma visão mais pragmática da segurança.

Manoel Carlos de Almeida Neto
Secretário-executivo do Ministério da Justiça
Com isso, Manoel Carlos é muito próximo a Lewandowski, Manoel Carlos já sinalizou para interlocutores que não teria como recusar uma nova missão ao lado do seu antigo chefe. Há oito anos, Manoel Carlos está na iniciativa privada e ocupa o cargo de diretor jurídico da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS