REDES SOCIAIS

34°C

Lula deve decidir em reunião emergencial como e quando vai receber Lira

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vai conversar com aliados nesta sexta-feira (19) sobre a crise envolvendo o Congresso e o avanço das ?pautas-bomba? que podem travar as demandas do governo. O encontro emergencial foi convocado pelo presidente e um encontro com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), deve ser uma das pautas.

Caso Lula opte por resolver essa questão conjuntamente, é possível que saia da reunião com uma resposta para Lira, que pediu agenda com o presidente via Rui Costa, ministro da Casa Civil, na última quarta-feira (17).

Lira vem reclamando da articulação política do governo e chamou Padilha de incompetente durante uma entrevista coletiva. O presidente da Câmara também chegou a falar sobre a instalação de CPIs, embora tenha descartado a CPI do Judiciário.

A reunião é encarada como emergencial. Tanto que o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que estava nos Estados Unidos, antecipou a volta para o Brasil. Embora tenha agenda em São Paulo, ele também pode participar da reunião.

LEIA TAMBÉM:

?Pautas-bomba?

Lula convocou os líderes diante da crise no Congresso e o avanço das chamadas “pautas-bomba”. Entre as preocupações do Planalto está a PEC do Quinquênio. A Proposta de Emenda à Constituição concede um aumento salarial de 5% a cada cinco anos de serviço para membros do Judiciário e do Ministério Público.

Se aprovada, a PEC pode causar um impacto fiscal de cerca de R$ 42 bilhões, segundo o líder do governo no Senado, Jaques Wagner.

O líder do governo no Congresso, Randolfe Rodrigues, disse nesta quinta-feira (18) que o governo vai trabalhar para adiar a votação da PEC do Quinquênio.

O governo não está se preocupando com pautas de costume, que também estão avançando no Congresso. Por outro lado, o Planalto está atento à aprovação das “pautas-bomba”, que podem causar impacto fiscal nas contas públicas.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS