REDES SOCIAIS

35°C

Lula se recupera entre seu público, mas não consegue furar bolha, avaliam aliados

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Aliados de Lula comemoraram os resultados da nova edição da pesquisa Quaest, divulgada nesta quarta-feira (10), que mostrou uma melhora no eleitor fiel do petista: o eleitorado de baixa renda.

A análise dos aliados no Palácio do Planalto é que Lula conseguiu estancar a queda que apresentou nesse público e conseguiu melhorar, inclusive avançar, especificamente entre as mulheres, entre quem ganha até dois salários mínimos e moradores da Região Sudeste.

No geral, o presidente Lula é aprovado por 54% e reprovado por 43%. Em maio, os percentuais eram de 50% e 47%, o que indicava empate técnico entre os dois indicadores.

Entre o eleitorado feminino, a aprovação foi de 54% a 57% de maio a julho. Na população com renda de até dois salários mínimos ? o público com maior peso na pirâmide socioeconômica ? o índice passou de 62% para 69% e a reprovação caiu de 35% para 26%, nove pontos percentuais.

A análise de assessores é que o resultado positivo está intrinsecamente ligado à melhora de indicadores da economia e programas sociais como o Bolsa Família e o Pé de Meia, criado para fornecer incentivo financeiro para estudantes de baixa renda.

A melhora também tem relação, dizem aliados, com as viagens e entrevistas concedidas a programas de rádio, além da volta da volta da campanha Fé no Brasil.

A pesquisa inclusive perguntou se a economia melhorou, avaliação positiva que passou de 33% para 37% entre a população que ganha até dois salários mínimos.

O entorno de Lula vê que o presidente precisa avançar em um público ainda desde sua eleição: a classe média, que recebe de dois a cinco salários mínimos. Nessa fatia, a aprovação ficou praticamente estável desde maio, de 49% para 50%. Também houve estabilidade entre quem recebe mais de cinco salários mínimos.

A avaliação é que o presidente precisa dialogar mais com esses segmentos para furar a bolha com seu público fiel e chegar a uma aprovação acima de 60%.

Um integrante do Palácio do Planalto destaca, no entanto, que a oscilação positiva no segmento de classe media já é algo a comemorar.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS