REDES SOCIAIS

19°C

Mercosul e países associados condenam tentativa de golpe na Bolívia e prestam solidariedade a Arce

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Países-membros e associados do Mercosul divulgaram nesta quinta-feira (27) uma nota conjunta em que prestam solidariedade ao presidente boliviano Luis Arce e condenam a tentativa de golpe na Bolívia.

Nesta quarta-feira (26), militares liderados pelo general Juan José Zúñiga tentaram invadir a sede do governo em La Paz. Tanques do Exército e militares armados chegaram a invadir o Palácio Quemado, a antiga sede do governo que ainda funciona para atos protocolares.

“Os Estados Partes do Mercosul e Associados manifestam sua profunda preocupação e enérgica condenação às mobilizações de algumas unidades do exército boliviano, que visam a desestabilizar o governo democrático do Estado Plurinacional da Bolívia, descumprindo os princípios internacionais da vida democrática e, em particular, do Mercosul”, diz o documento.

Os países que participam do Mercosul também afirmaram rejeitar qualquer tentativa de mudança de poder “por meio da violência e de forma inconstitucional que atente contra a vontade popular, soberania e autodeterminação dos povos”. E declararam apoio ao presidente boliviano.

“Expressam sua solidariedade e irrestrito apoio à institucionalidade democrática do governo constitucional do presidente Luis Arce Catacora e suas autoridades democraticamente eleitas, e exortam a manutenção da democracia e a plena vigência do estado de direito”, finaliza a nota conjunta.

Formado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, o Mercosul foi criado em 1991. Além dos Estados membros, também existem os chamados Estados associados, entre os quais Colômbia, Bolívia e Chile.

General preso

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Zúñiga foi preso na entrada da sede do Estado-Maior e, segundo a Associad Press, afirmou que o golpe foi orquestrado pelo próprio presidente Luis Arce. Além dele, Juan Arnez Salvador, ex-comandante da Marinha, também foi detido.

“No domingo, na escola La Salle, me encontrei com o presidente e ele me disse que a situação está muito complicada”, afirmou Zúñiga. O general disse ainda que recebeu autorização do presidente para levar blindados às ruas.

No dia anterior, Zúñiga havia sido destituído do cargo de comandante do Exército após fazer ameaças a Evo Morales ? ele afirmou que prenderia Morales caso o ex-presidente volte ao poder.

Na discussão entre Arce e o general, os dois gritam, e o presidente ordenou que o ex-comandante do Exército desmobilizasse as tropas. Zúñiga não responde.

Após cerca de quatro horas de tensões, o movimento foi desmobilizado por ordem de Arce, e os militares que participaram da tentativa de golpe deixaram o local, cercados por soldados que se mantiveram fiéis ao governo.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS