REDES SOCIAIS

35°C

Múcio diz que monitora tensão na fronteira para que Brasil não seja ‘instrumento’ de ‘incidente diplomático’ entre Venezuela e Guiana

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

O ministro da Defesa, José Múcio, afirmou nesta sexta-feira (8) que o governo monitora a crise entre Venezuela e Guiana para evitar que o Brasil seja usado como “instrumento” de um “incidente diplomático” entre os vizinhos. O Brasil faz fronteira com os dois países.

Múcio deu a declaração antes de se reunir com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Palácio da Alvorada. O ministro tratou com Lula, entre outros temas, sobre a tensão na fronteira norte. A reunião durou cerca de 50 minutos.

?Estamos atentos para que nós não sejamos instrumento de um incidente diplomático que envolve dois vizinhos?, disse Múcio a jornalistas.

A situação na fronteira se agravou após a realização de um referendo, convocado pelo governo venezuelano, que aprovou a ideia de anexar parte do território da Guiana conhecido como Essequibo, uma região rica em reservas de petróleo.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, assinou uma série de decretos para incorporar Essequibo.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

O governo da Guiana tem criticado a iniciativa e busca apoio de aliados. Os Estados Unidos, por exemplo, anunciaram exercício militares de rotina em parceria com a Guiana.

Lula, que é aliado de Maduro, já declarou que não deseja uma guerra na América do Sul e que os países do Mercosul não podem ficar alheios ao conflito. O governo não permitirá que as tropas venezuelana passem pelo território brasileiro para eventual invasão da Guiana.

Propostas para as Forças

Múcio disse que a tensão entre Venezuela e Guiana não foi o único tema tratado com Lula.

O ministro disse que também conversou sobre duas propostas de emenda à Constituição (PEC) de interesse da Defesa.

Uma é a PEC que pode proibir militares da ativa de se candidatarem, o que vai na direção do que o Palácio do Planalto considera fundamental para evitar a politização na caserna. O outro texto trata de previsibilidade orçamentária militar.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS