REDES SOCIAIS

19°C

‘Não é um cenário que deva ter uma melhora nas condições de saúde’, diz ministra sobre situação no RS

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, acredita que a situação da saúde no Rio Grande do Sul por conta das enchentes que atingiram o estado vão exigir atenção mesmo depois que a água baixar por conta de doenças, como leptospirose, e da necessidade de atendimentos de urgência, já que muitos hospitais deixaram de funcionar por conta das inundações.

“Nós podemos ter vários problemas de saúde pública na sequência, quando a água começa a baixar dada a esse total colapso na cidade. Então, é muito difícil fazer uma previsão, mas, certamente, não é um cenário que a gente deva ter uma melhora nas condições de saúde. E, certamente, não nos próximos dois meses é possível dizer isso. O que vai acontecer é que haverá melhora em alguns lugares mas não em outros e temos que estar atentos a cada realidade do estado”, disse em entrevista à GloboNews.

Nesta terça (7), a ministra disse ao Conexão GloboNews que o Ministério da Saúde vai publicar uma portaria com remessa imediata de recursos para a saúde no estado do Rio Grande do Sul. ?Nós vamos hoje publicar uma portaria com a destinação de R$ 63 milhões com a destinação para custeio de ações emergenciais?, afirmou Nísia.

Nísia afirmou que há preocupação com a falta de hospitais que foram atingidos pelos alagamentos possa prejudicar pessoas que precisem de atendimento, de hospitalização e de cirurgias de emergência, hemodiálise e tratamentos oncológicos. “Estamos trabalhando em um plano junto com a Secretaria de Saúde do RS e municípios para cada local, porque as realidades vão ser diferentes no Estado. É um grande trabalho em uma calamidade. É um conjunto de ações neste cenário impreciso.”

A ministra ressaltou a importância do cuidado das pessoas que estão trabalhando nos resgates que estão em contato com a água da enchente, que pode estar contaminada. “Que usem botas, proteção, o que é muito importante para as equipes de resgate. Vamos ter que, ao longo de 30 dias, acompanhar sintomas das pessoas. Não se recomenda uso de antibioticos em massa. Mas quando a pessoa tem febre, dor lombar e dor na panturrilha, são alguns dos sintomas de leptospirose. Isso pode levar um tempo de até 30 dias. Então, tem que monitorar esses sinais”.

LEIA TAMBÉM:

Tragédia no RS

A Defesa Civil do Rio Grande do Sul atualizou para 95 o número de mortos em razão dos temporais que atingem o estado. O boletim divulgado na tarde desta terça-feira (7) ainda aponta que há outros 4 óbitos sendo investigados. O estado registra 131 desaparecidos e 372 feridos.

Há 207,8 mil pessoas fora de casa. Desse total, são 48,8 mil em abrigos e 159 mil desalojados (pessoas que estão nas casas de familiares ou amigos).

O RS tem 401 dos seus 497 municípios com algum relato de problema relacionado ao temporal, com 1,4 milhão pessoas afetadas.

As rodovias estaduais registram bloqueios totais e parciais em 95 trechos de 41 estradas.

Hospitais de campanha foram montados pelo governo federal para auxiliar pessoas feridas e desabrigadas. No momento, os municípios de Estrela, Canoas e São Leopoldo foram contemplados pelas estruturas.

Segundo a nova atualização, são 451 mil pontos sem luz no estado. Na área da CEEE Equatorial, são 206 mil imóveis sem energia. A RGE Sul tem 245 mil imóveis afetados.

A Corsan totaliza 649 mil clientes sem abastecimento de água no estado. Em Porto Alegre, o Departamento Municipal de Água e Esgoto (DMAE) informou que religou a Estação de Tratamento de Água (ETA) São João na manhã desta terça. Trinta e cinco bairros da Zona Norte são abastecidos. Outras quatro estações estão fora de operação.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS