REDES SOCIAIS

21°C

No Itamaraty, fala de Lula que compara Holocausto à ação de Israel em Gaza é considerada ‘desastrosa’

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Apesar do silêncio oficial, integrantes do Ministério das Relações Exteriores avaliaram como “desastrosa” a declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva comparando a ofensiva militar de Israel na Faixa de Gaza ao Holocausto.

Nas palavras de um graduado diplomata, a fala de Lula tira a legitimidade do presidente até para fazer críticas necessárias a uma reação desproporcional de Israel ao ataque do grupo terrorista islâmico Hamas, em outubro de 2023.

No final da semana, o presidente classificou como “genocídio” e “chacina” a resposta de Israel na Faixa de Gaza aos ataques terroristas promovidos pelo Hamas. Ele comparou a ação israelense ao extermínio de milhões de judeus pelos nazistas chefiados por Adolf Hitler no século passado (veja vídeo abaixo).

“O que está acontecendo na Faixa de Gaza e com o povo palestino não existe em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu: quando o Hitler resolveu matar os judeus”, disse Lula.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

A declaração, segundo esse membro do Itamaraty, também afeta negativamente a credibilidade de Lula no reiterado discurso em defesa da criação de um Estado Palestino.

Dentro do governo, a fala de Lula foi vista com preocupação. Um auxiliar próximo disse ao blog que isso costuma ocorrer quando Lula fala de improviso em relação à política externa.

Na véspera, quando leu um discurso em assembleia da União Africana em Adis Abeba, na Etiópia, a avaliação é de a fala usou um tom correto a respeito do conflito.

Quando concede entrevistas, no entanto, o brasileiro acaba derrapando.

Em ocasiões similares, já relativizou ditaduras em países como Nicarágua e Venezuela e equiparou as posições de Rússia e Ucrânia na invasão territorial em curso na Europa.

Também chamou atenção dos diplomatas, ao longo dos últimos dias, a cautela extrema de Lula sobre a morte de Alexey Navalny, principal opositor do presidente russo Vladimir Putin. Até o momento, o governo não se manifestou oficialmente sobre esse caso.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS