REDES SOCIAIS

28°C

Novo presidente do BID diz que banco tem pautas em comum com o futuro governo Lula

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Eleito no último domingo (20) presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Ilan Goldfajn afirmou nesta segunda-feira (21) que a instituição tem pautas em comum com o governo do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“Temos pautas ambientais, pautas sobre a pobreza, desigualdade, pautas ligadas à infraestrutura. Claramente, algumas dessas pautas ? senão a maioria ? são aliadas com as políticas e às pautas do governo eleito”, disse.

Segundo ele, a nova gestão do BID deverá manter a tradição da instituição com um relacionamento harmônico com qualquer um dos países que compõem o continente americano.

?[O BID] tem uma relação harmônica com todos os países da América Latina, do Caribe, da América do Sul, da América Central, da América do Norte. É uma relação harmônica. Acredito que isso vai ocorrer também ? já está ocorrendo ? com o governo eleito?, disse, em entrevista à GloboNews.

O novo presidente do banco multilateral disse que entre os projetos da instituição para a América Latina estão:

  • o de financiamento de redes de proteção social;
  • o de produção de alimentos;
  • e o de infraestrutura para levar os alimentos à população mais vulnerável.

Ilan Goldfajn será o primeiro brasileiro a presidir o BID ? a posse está marcada para o dia 19 de dezembro. O banco é uma das principais fontes de financiamento de longo prazo para o desenvolvimento econômico, social e institucional da América Latina e do Caribe.

Ele foi eleito para presidir a instituição, por um período de cinco anos, no último domingo. Ilan foi indicado como candidato do Brasil pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

A assembleia de governadores do banco elegeu Ilan Goldfajn com 80,1% dos votos.

?Isso [a votação] dá um certo respaldo, não só o respaldo que vem do Brasil, mas também o respaldo que tá vindo de todo o continente. Isso vai me permitir trabalhar para tentar levantar o BID que saiu um pouco com algumas feridas desse último presidente?, afirmou Ilan.


window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Pedido para adiar eleição

O ex-ministro Guido Mantega, que chegou a integrar a equipe de transição do governo eleito, afirmou ter entrado em contato com autoridades econômicas de países das Américas para pedir o adiamento da eleição do presidente do BID.

De acordo com Mantega ? que foi ministro dos governos Lula e Dilma Rousseff ?, a intenção foi contestar a indicação de Goldfajn, já que o nome do economista e ex-presidente do Banco Central foi apresentado pelo governo Jair Bolsonaro.

Apesar da tentativa de barrar a candidatura, o presidente eleito do banco multilateral defendeu que o momento é de “olhar para frente”.

“Todo mundo que eu falei no Brasil, das diferentes matizes, diferentes partidos, todo mundo me deu apoio. E eu sei que não há objeção ao meu nome, não houve objeção ao meu nome por ninguém no Brasil”, disse.

“Gostaria de olhar para frente porque eu vejo, agora, que a eleição saiu bem, que há apoio. Eu tô vendo já manifestações de todos os lados, inclusive do governo eleito. […] Acho que a gente tem que olhar para frente. Isso que é importante nesse momento. Acho que agora é o momento de a gente estar, de uma certa forma, ficar orgulhosos de ter um brasileiro finalmente [na presidência da instituição]?, acrescentou.

Seis dias depois da declaração sobre a eleição para o BID, Mantega pediu para deixar a equipe de transição de governo. Ele integrava o grupo de planejamento, orçamento e gestão.

*Sob a supervisão de Letícia Carvalho

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS