REDES SOCIAIS

19°C

Pacheco elogia Lula e diz que ‘monstro não está morto’ ao se referir a movimentos antidemocráticos

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse nesta sexta-feira (28) que o “monstro não está morto” ao se referir a movimentos antidemocráticos.

Pacheco também afirmou que recebe com “muita alegria” elogios vindos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que, segundo ele, é um político que preza pela democracia.

Nesse contexto, o presidente do Senado relembrou dos atos antidemocráticos do 8 de janeiro ? quando as sedes dos Três poderes foram invadidas e depredadas.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Pacheco citou também o episódio na Bolívia, quando em uma tentativa frustrada de golpe, o ex-comandante do Exército do país Juan José Zúñiga e soldados aliados invadiram o Palácio Quemado, antiga sede do governo, mas acabaram desmobilizados.

“Há dois anos tivemos problema de atentado à democracia. Na Bolívia essa semana tivemos violação democrática em um país. Portanto, esse monstro não está morto. Nós precisamos constantemente trabalhar em defesa da democracia”, disse Pacheco.

A declaração foi dada durante evento do governo federal de investimentos para Minas Gerais. Lula está no estado desde esta quinta-feira (27), onde cumpre agenda.

Mais cedo, em entrevista à rádio FM O Tempo, Lula elogiou o presidente do Senado que, na sua opinião, atualmente “é a figura pública mais importante de Minas Gerais”.

O presidente da República foi questionado sobre uma eventual candidatura de Pacheco ao governo mineiro, em 2026.

“Acho que ele tem todas as condições de fazer disputar eleitoral e ganhar as eleições”, afirmou Lula.

Lula e Pacheco vem se aproximando neste ano. O presidente disse que o governo federal está disposto a negociar a dívida R$ 170 bilhões de Minas Gerais.

A expectativa é que Pacheco apresente na próxima segunda (1º) um projeto com objetivo de reduzir os juros de pagamento dos débitos. Isso ocorrerá se os estados entregarem ao governo federal ativos que possuem em empresas e investirem em segurança, por exemplo.

Ainda durante a entrevista à rádio, o presidente fez críticas ao governo de Minas Gerais, e afirmou que o estado “não pode simplesmente ficar sem pagar [a dívida] e ter como prêmio o não pagamento”.

– Esta reportagem está em atualização

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS