REDES SOCIAIS

25°C

Participação de Haddad em audiência pública na Câmara é marcada por bate-boca com deputados; veja vídeos

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

A participação do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, em uma audiência pública da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados na manhã desta quarta-feira (22) foi marcada por um bate-boca entre o ministro e alguns parlamentares.

Com a reunião, os parlamentares tinham o objetivo de discutir com Haddad a política econômica do país. No entanto, a discussão extrapolou a pauta da economia e envolveu questões como música, livros, cultura, vacinação, negocionismo e terraplanismo.

A possível retomada do imposto de importação sobre encomendas do exterior de até US$ 50 foi um dos pontos de tensão entre Haddad e o deputado Kim Kataguiri (União Brasil-SP), mas o ministro ainda rebateu afirmação de outros parlamentares, como do deputado Abilio Brunini (PL-MT) que questionou se Haddad era um “negacionista da economia”. Veja vídeos abaixo.

Taxação das importações

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

O deputado Kim Kataguiri questionou a linha do PT de aumentar a arrecadação por meio de alta de tributos, e afirmou que teria havido uma briga entre deputados do PT e o governo na última semana sobre o assunto. O parlamentar perguntou a Haddad qual a posição oficial do Ministério da Fazenda sobre a retomada da taxação federal.

Em resposta, o ministro da Fazenda afirmou que é preciso mais tempo para o governo tomar uma posição sobre a retomada do imposto federal, e afirmou que a decisão dos governadores de aumentar o ICMS estadual foi “correta”.

Ele afirmou ainda que Kim Kataguiri está tentando “ideologizar” o debate, e acrescentou que é “preciso ter coragem” para tomar decisões, mas é necessário “saber o que está acontecendo nas feiras, nas periferias”. Haddad afirmou que, desde o ano passado, todas as remessas do exterior passaram a ser registradas.

“Pega o microfone e fala mal do Tarcísio [de Freitas, governador de São Paulo]. Fala! O varejo brasileiro é honrado, feito de empresário honrados, a indústria é honrada. As pessoas que mandaram esse documento para nós são honradas, merecem ser ouvidos. Feche a porta para ouvir e parar de lacrar na rede”, declarou Haddad, ministro da Fazenda.

Na réplica, Kataguiri disse não ter insinuado que a indústria brasileira não é honrada.

“Ele [Haddad] Também disse que eu não recebo representantes [do setor industrial], que eu não teria feito questionamento, que estaria lacrando. De três questionamentos que eu fiz, ele não respondeu, sobre privilégios, elite do funcionalismo público, paternalismo. E que o ministro está fugindo de responder é qual o posicionamento do Ministério da Fazenda da imposição de imposto de importação em 60% para as compras online”, disse o deputado Kim Kataguiri.

Tributação de jogos

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Ao falar sobre dos jogos online, Haddad criticou o apoio de um dos parlamentares a isenção. O ministro queria responder a uma fala do deputado Filipe Barros (PL-PR), mas acabou se confundindo na fala, que direcionou, novamente, ao deputado Kim. Depois, Haddad se desculpou pelo erro.

“‘Bets’ que o senhor manifestou, esses jogos online…o senhor está defendendo a isenção de jogo? Quer dizer, não só o senhor está defendendo a permissão dos jogos, mas o senhor quer que seja uma atividade incentivada pela não tributação? Será que o senhor está no juízo perfeito?”, questionou Haddad.

“Tem toda uma bancada evangélica que, com legitimidade, defende que as pessoas não não joguem, o deputado Kim que vai além. Ele quer incentivar o jogo pela não tributação”, completou o ministro.

Nesse momento o deputado Kim Kataguiri interrompeu a fala de Haddad: “Regimentalmente, quando alguém me imputa uma falta opinião…eu tenho direito de me defender. Em nenhum momento, ministro, eu falei de aposta”, disse.

Em seguida, Haddad corrigiu a fala.

“Foi o deputado Felipe? Não é? Foi o deputado Felipe. Tem razão. É do seu partido, não? Não, não, não é de outro partido. De qual partido? Do é do PL, do PL. Me perdoa”, completa.

Ao terminar a fala, o ministro da Fazenda pediu para que a bancada evangélica prestasse atenção nos depoimentos em apoio a não tributação dos jogos online.

Negacionismo

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Ao questionar Haddad, o deputado Abilio Brunini perguntou se o ministro era um negacionista da economia.

“O senhor, olhando todos esses números, olhando esses gráficos ? esse aqui que achei que estava invertido, mas é assim mesmo, negativo ? a minha pergunta para o senhor é: o senhor é um negacionista da economia? O senhor não acredita na economia? Na ciência da economia. O senhor não acredita nos números, é um negacionista dos números negacionista da exatas?”

Para justificar a pergunta Brunini mencionou problemas econômicos envolvendo o preço de produtos alimentícios, o desemprego e greves. Em seguida, o deputado fez outro questionamento para Haddad.

“O senhor não queria estar no Ministério da Fazenda e queria estar no Ministério da Cultura tocando ‘Blackbird’? Essa é a intenção do senhor? Por que não faz o menor sentido”, seguiu Brunini.

Em resposta, Haddad disse que disse: “O deputado Abilio me acusa de gostar de livro, filme, música. Deputado, eu gosto da cultura. Eu sei que o ‘bolsonarismo’ tem dificuldade com as artes. Vocês têm, vocês têm, vocês têm. Vocês não gosta. Mas vocês vão ter que aprender a respeitar um dos maiores patrimônios do país”, afirmou.

Em seguida, Hadda argumentou que “se não fosse o Congresso Nacional botando goela abaixo do governo duas leis de apoio à cultura, a cultura tinha morrido no Brasil durante a pandemia. Vocês quase acabaram com a cultura brasileira, que é um dos maiores patrimônios desse país.”

‘Calote’ nos precatórios

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Haddad ainda falou que os apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro na Câmara são “negacionistas” sobre a vacina contra Covid-19 ? e que também negam um calote no pagamento de precatórios durante o governo anterior.

“Eu defendi a vacina o tempo todo, a terra é redonda o tempo todo. E vocês negam que a terra é redonda, vocês negam que a vacina previne, vocês negam que deram o calote em precatório, em governador e eu que sou negacionista?”, afirmou o ministro da Fazenda.

O deputado Brunini argumentou que Haddad estava fugindo dos assuntos da pauta e desviando o foco. Em seguida, o ministro respondeu.

“Você me chamou de negacionista, eu estou lhe respondendo. O senhor que é negacionista. O senhor nega o calote?”, questionou várias vezes Haddad.

Em outro trecho o ministro disse: “Reafirmou o calote? Eu fico satisfeito que o senhor não é negacionista. Parabéns. Não seja assim, deputado, não seja assim.”

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS