REDES SOCIAIS

17°C

Patrimônio de Domingos Brazão aumentou 2.300% em oito anos

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro (TCE-RJ) Domingos Brazão enriqueceu 2.300% entre 2002 e 2010, de cerca de R$ 209 mil para R$ 5 milhões. A conclusão consta no relatório final da Polícia Federal que aponta Brazão como um dos mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em 2018.

De acordo com a corporação, a evolução patrimonial coincide com o seu ingresso na política, em 1996. Segundo a PF, dados apresentados pelo político à Justiça Eleitoral de 2006 a 2010 apontam o crescimento patrimonial de aproximadamente 300%. Ele saiu de R$ 1,2 milhão para R$ 5 milhões, em valores não corrigidos pela inflação. O relatório cita ainda uma matéria do Jornal O Globo que mostra evolução ainda maior se analisado o período de 2002 a 2010: 2.300%.

Em 2006, Brazão declarou ter crédito da compra de um apartamento, quatro frações de lotes em locais diversos e dois apartamentos, sendo o bem de mais alto valor declarado uma unidade de R$ 196 mil na avenida Sernambetiba, na Barra da Tijuca.

Já em 2010, ele lista cinco bens imóveis, três terrenos, além de uma casa e um apartamento. O maior valor declarado é referente a um apartamento de R$ 2 milhões na Barra da Tijuca.

“Domingos Brazão e sua família são o exemplo dos muitos casos de sucesso no cotidiano brasileiro que misturam o ingresso na política com a ascensão patrimonial vertiginosa”, avalia a PF.

O documento descreve de forma detalhada as empresas criadas e adquiridas pela família Brazão ao longo desses anos. A primeira empresa aberta por Domingos Brazão em 1985, antes do seu ingresso na política, chamava-se Robedom Comércio de Joias e Metais Preciosos LTDA e foi encerrada em 1999.

Concomitante à primeira, o hoje conselheiro do TCE-RJ abriu a Sangue Bom Autopeças LTDA, que em 1993 teve alteração em seu contrato social de “oficina, mecânica e lanternagem” para “comércio de veículos novos, usados e sinistrados”. Ela foi encerrada em 2005, quando Brazão já exercia mandato.

Cerca de um mês depois, em abril, segundo narra a PF, o Disque-Denúncia recebeu a informação de um desmanche de veículos roubados na sede da empresa. Em novembro do mesmo ano, houve nova denúncia.

Outra situação relatada pela PF diz respeito a quatro empresas do ramo alimentício que tinham Sylvio Pinheiro como sócio. Embora declare residir em um condomínio de casas na Avenida Sernambetiba, área destinada a casas de alto padrão, Pinheiro recebeu auxílio emergencial o que, para a PF, “denota ser mero laranja”.

Em 2007, Domingos Brazão foi autuado por sonegação fiscal pela Receita Federal. O auto de infração foi no valor de R$ 130 mil.

A defesa de Domingos Brazão nega participação no crime.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS