REDES SOCIAIS

19°C

Paulo Araújo não descarta ALMT pedir prorrogação da intervenção na Saúde de Cuiabá

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

@media only screen and (max-width: 767px) {
.img-wrapper {
margin-bottom: 5px;
}

.content-title {
margin-bottom: 10px;
}
}

O deputado estadual e presidente da Comissão Especial de Acompanhamento da Intervenção na Saúde Municipal, Paulo Araújo (PP), não descarta uma possibilidade futura da comissão que atua na Assembleia Legislativa, encaminhar um pedido especial de prorrogação do período de atuação do Governo do Estado na pasta.

Sob a prorrogativa de que a Prefeitura de Cuiabá não sustentará o atual modelo montado pelo Gabinete de Intervenção, Araújo disse que é favorável a extensão, pois teme a devolução, principalmente depois que o Executivo Municipal não garantiu o aporte de R$ 600 milhões a mais no orçamento da saúde para 2024, requerido pelo gabinete.

“Nós sabemos do déficit financeiro orçamentário que a saúde pública enfrenta, uma falta de responsabilidade. Sou temerário a devolução da gestão ao município, vai continuar acontecendo aquilo que foi motivo da intervenção a má gestão e administração. Não temos o que fazer a não ser acompanhar a intervenção ou reiterar o pedido de prorrogação”, explica o deputado.

O Gabinete de Intervenção foi montado após decisão judicial do Tribunal de Justiça determinou a intervenção do governo estadual na pasta da saúde da capital, desde 15 de março em um prazo inicial do 90 dias. Em junho, o Ministério Público prorrogou por mais 180 dias, findando em 31 de dezembro desse ano.

O presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (União Brasil), havia dito na semana passada que não via necessidade na prorrogação da intervenção. Para o parlamentar, a intervenção surgiu apenas para sanar problemas pessoais e que boa parte deles já foram solucionados e agora, a Prefeitura de Cuiabá precisa retomar o controle da pasta.

“Eu ainda não analisei os dados, teremos uma reunião com a Comissão nossa para eles apresentarem [os dados]. A princípio, os motivos, como a própria interventora disse, já se encerraram. Não tem sentido continuar com a intervenção. É para resolver problemas pontuais, se resolveu pronto”, disse Botelho.

Fonte: Isso É Notícia

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS