REDES SOCIAIS

22°C

Por 2 eleitores, Borá (SP) volta a ser o menor colégio eleitoral do Brasil; veja a lista

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

A cidade de Borá (SP), no interior de São Paulo, é o menor colégio eleitoral do país, com 1.040 eleitores, apontam dados do Superior Tribunal Eleitoral (TSE) deste ano. A diferença para o segundo lugar, Araguainha (MT), é de apenas 2 aptos a votar.

Em seguida estão Serra da Saudade (MG), Engenho Velho (RS) e Anhangüera (GO), com 1.107, 1.213 e 1.234 eleitores, respectivamente.

Borá já foi o menor colégio eleitoral do país em 2006. Voltou a ocupar a posição 16 anos depois.

De acordo com dados do TSE, 20 cidades brasileiras têm menos de 1,5 mil eleitores. Juntos, esses municípios têm uma população de 26.497 aptos a votar. O eleitorado total brasileiro, por sua vez, é de 156.454.011.

Ranking dos menores colégios eleitorais

  1. Borá (SP) ? 1.040
  2. Araguainha (MT) ?1.042
  3. Serra da Saudade (MG) ? 1.107
  4. Engenho Velho (RS) ? 1.1213
  5. Anhangüera (GO) ? 1.234
  6. Jardim Olinda (PR) ? 1.237
  7. Nova Castilho (SP) ? 1.287
  8. Cedro do Abaeté (MG) ? 1.291
  9. André da Rocha (RS) ? 1.331
  10. Pracinha (SP) ? 1.360

Em Borá, clima é de ‘tranquilidade’

Em Borá, o menor deles, o clima da cidade há três meses da eleição que já movimenta grandes debates em parte do Brasil, é de “tranquilidade”, segundo moradores da cidade.

O sentimento geral dos boraenses que conversaram com o g1 é que o clima de paz deve continuar nos próximos meses. “Não, não [deve] mudar [a calmaria], porque aqui é muito tranquilo, ainda mais que é pra presidente, governador. Para prefeito é mais agitado”, explica a funcionária pública Irene Fagundes.

?Eu acredito que vai ficar assim até o dia da eleição. Em 2018 foi tranquilo também?, comenta a vice-diretora da Escola Dr José de Sousa, Valdirene Marconato. Na eleição passada, o presidente Jair Bolsonaro (PL) venceu na cidade com 69% dos votos no segundo turno.

Alguns deles, no entanto, discordam e afirmam que a disputa eleitoral nacional pode respingar nos relacionamentos locais.

?Eu acho que não [vai ficar calmo], porque a eleição deste ano vai ser bem turbulenta, porque é uma briga que tá demais… Aqui mesmo, no Borá, tem gente que se vc comentar mal do Bolsonaro, parte pra cima; comentar mal do Lula, parte pra cima. Aqui eu acho que vai ser meio violento”, afirma a vereadora Cecilia Macedo, eleita em 2016 pelo PT, mas agora filiada ao PTB, partido próximo ao presidente Bolsonaro.

Na mesma linha, Maira Pereira, funcionária da escola municipal Professor Juracy Toledo Barreiros, acredita que a eleição pode ter “alguns BOs”, o que segundo ela é “natural”.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS