REDES SOCIAIS

26°C

Procuradoria do Peru abre investigação por denúncia de plágio em dissertação de mestrado do presidente do país

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

A Procuradoria do Peru abriu uma investigação contra o presidente do país, Pedro Castillo, e sua esposa, após a denúncia de um programa de televisão de que eles teriam plagiado sua dissertação de mestrado. Castillo nega que tenha cometido plágio.

Ministério Público afirmou, nesta quinta-feira, que “iniciou uma investigação oficiosa contra o presidente da República, Pedro Castillo Terrones, e sua esposa Lilia Paredes, pelo suposto crime de plágio agravado, falsidade genérica e oneração indevida em prejuízo ao Estado”, disse a entidade no Twitter.

A investigação ficará a cargo do procurador Juan Ramón Tantalean, de Cajamarca.

Na quarta-feira, Castillo negou que ele e sua esposa, Lilia Paredes, plagiaram a dissertação. Ele se pronunciou sobre o caso depois que a universidade abriu uma investigação interna devido à denúncia.

“Rechaço as alegações mal intencionadas sobre a veracidade da dissertação de mestrado que fiz há mais de 10 anos na Universidade César Vallejo e que com base em um software indicam que fiz uma cópia”, afirmou o presidente em nota.

De acordo com o programa dominical “Panorama”, do canal Panamericana, Castillo e sua esposa, ambos professores rurais, plagiaram 54% da dissertação que fizeram juntos em 2011.

“Não copiei, nem adjudiquei autoria de terceiros, como, de forma irresponsável, pretendem fazer a população acreditar”, disse Castillo, que sustentou que “essa denúncia é de tom político e parte de um plano desestabilizador”.

O fundador dessa universidade é César Acuña, um político de oposição. Ele também foi acusado em 2016 de plagiar uma tese para obter um doutorado na Espanha em 1997, mas o caso foi arquivado pela Justiça espanhola.

O plágio agravado é punido com até oito anos de prisão na lei peruana.

Depois de ter terem obtido os mestrados, Castillo e sua mulher passaram a receber um bônus salarial. Se a tese foi plagiada, vão considerar que esses valores foram pagos de forma indevida.

No entanto, o presidente tem imunidade e, portanto, não pode ser julgado antes de deixar o poder. Seu mandato termina em 2026.

Castillo e sua esposa obtiveram com a dissertação o grau de mestre em Educação, com menção em Psicologia Educativa.

Oposição e críticas

O presidente peruano, de 52 anos, está no poder há nove meses e enfrenta uma oposição ferrenha e críticas frequentes de líderes da direita radical, que promoveram duas moções de “vacância presidencial” (destituição) contra ele.

Os pedidos de impeachment se tornaram rotina no Peru e causaram a queda dos mandatários Pedro Pablo Kuczynski, em 2018, e Martín Vizcarra, em 2020, o que mantém o país em uma instabilidade constante.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS