REDES SOCIAIS

18°C

Raí discursa durante manifestação em Paris: ‘A extrema direita é o ódio’; 2° turno das eleições na França acontece domingo

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O ex-jogador Raí discursou nesta quarta-feira (3) em uma manifestação em Paris contra a extrema direita. As eleições parlamentares da França acontecem domingo (8); no primeiro turno, a extrema direita, liderada por Marine Le Pen, saiu vencedora.

Raí, ídolo do Paris Saint-Germain e ex-jogador da seleção brasileira, participou de comício da Nova Frente Popular, bloco de partidos de esquerda. Esquerda e o centro, este ligado ao presidente Emmanuel Macron, costuram um acordo para barrar o avanço do partido de Le Pen.

“Viva a França, viva a República, viva a democracia”, disse Raí, em francês, aplaudido pela multidão, segundo o jornal Le Parisien.

“Conheço bem a extrema direita. O que eles fazem de melhor é mentir. Eu os conhecia no poder. A extrema direita é o fim do mundo, é o fim dos direitos humanos, da humanidade”, afirmou o ex-jogador.

Em seguida, numa aparente alusão ao governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), declarou:

“No Brasil, vivemos um pesadelo. Quatro anos de misoginia, quatro anos de homofobia, preconceito, milhares de mortes, desmatamento. A extrema direita é o ódio. Se quisermos mudar a nossa realidade, o nosso poder de compra, a nossa vida, vamos mudar com uma estratégia, um projeto, uma nova política, mas os nossos valores fundamentais nunca devem mudar”.

{
“data”: {“app”:{“image”:”https://s2-g1.glbimg.com/PfZd3RkMaP1mpXSqzWBhclwSITI=/540×304/middle/smart/https://i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2024/c/R/l7gbvNTNOkIQxJJVNpHQ/lepen-reuters.jpg”},”title”:”A extrema direita na Franu00e7a tem mais de 50 anos; por que su00f3 agora ela estu00e1 perto do poder?”,”type”:”editorial”,”url”:”https://g1.globo.com/mundo/noticia/2024/07/02/a-extrema-direita-na-franca-tem-mais-de-50-anos-por-que-so-agora-ela-esta-perto-do-poder.ghtml”,”web”:{“desktop”:”https://s2-g1.glbimg.com/KdX43ezSPWAtKChEhKzFidP-MTg=/320×200/middle/smart/https://i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2024/c/R/l7gbvNTNOkIQxJJVNpHQ/lepen-reuters.jpg”,”image”:”https://s2-g1.glbimg.com/PfZd3RkMaP1mpXSqzWBhclwSITI=/540×304/middle/smart/https://i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2024/c/R/l7gbvNTNOkIQxJJVNpHQ/lepen-reuters.jpg”,”mobileSizes”:{“L”:”https://s2-g1.glbimg.com/S9AqiN1lwT5vxwAROrRnqm4Ft2k=/414×468/middle/smart/https://i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2024/c/R/l7gbvNTNOkIQxJJVNpHQ/lepen-reuters.jpg”,”LL”:”https://s2-g1.glbimg.com/IFy-qdV62hfVwczZYmTbxsVC3XA=/480×543/middle/smart/https://i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2024/c/R/l7gbvNTNOkIQxJJVNpHQ/lepen-reuters.jpg”,”M”:”https://s2-g1.glbimg.com/7PkQ-Etvk1cmfKz13Wf9gTHT5s8=/375×424/middle/smart/https://i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2024/c/R/l7gbvNTNOkIQxJJVNpHQ/lepen-reuters.jpg”,”S”:”https://s2-g1.glbimg.com/NcwIG7Ia2tkQ5XNDK7iQ9beWbeE=/320×362/middle/smart/https://i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2024/c/R/l7gbvNTNOkIQxJJVNpHQ/lepen-reuters.jpg”}}}
}

Raí, por fim, pediu que os eleitores saiam às ruas no domingo para votar contra a extrema direita: “Vão votar, meus amigos franceses, vão convencer seus amigos, sua família a votar, pela França, pela humanidade, pelo planeta, pela raça humana”.

Eleições na França

O partido de extrema direita Reunião Nacional (RN), de Marine Le Pen, saiu à frente no primeiro turno das eleições parlamentares da França, realizado no domingo (30).

A sigla, segundo o Ministério do Interior francês, obteve 33% dos votos. A Nova Frente Popular, um grande bloco de partidos de esquerda, ficou em segundo lugar, com 28% dos votos, e o bloco centrista do presidente francês, Emmanuel Macron, terminou em terceiro lugar, com 20% dos votos.

O pleito, que havia sido convocado apenas três semanas atrás, teve recorde de participação em quase 40 anos — na França, o voto não é obrigatório — e concretizou o favoritismo do grupo político de Le Pen. O resultado seguiu o que projetaram pesquisas de intenção de votos.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS