REDES SOCIAIS

19°C

Reduzir número de agentes na busca por fugitivos de Mossoró fez parte da estratégia de recaptura

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

A desmobilização das tropas ostensivas em Mossoró (RN) fez parte da estratégia para recapturar Rogério Mendonça, de 35 anos, e Deibson Nascimento, 33 anos, os primeiros a fugir de um presídio federal no Brasil. Os dois foram presos na quinta-feira (4) em Marabá, no Pará, após 50 dias de buscas. Eles estavam a 1,6 mil quilômetros do local da fuga.

Para os investigadores, a expectativa era a de que, ao anunciar a diminuição do efetivo, os fugitivos relaxassem, tentassem se deslocar e, com isso, facilitassem a recaptura.

O trabalho de inteligência já havia identificado que eles tinham um celular, mas que era ligado só de vez em quando e por pouco tempo, o que dificultava a localização por meio das antenas telefônicas. Também já haviam identificado o apoio de facções criminosas.

Na prisão, a polícia aprendeu com a dupla e os quatro criminosos que os estavam escoltando oito celulares. O grupo estava em três carros. Além dos aparelhos, foi apreendido um fuzil com dois carregadores, dinheiro em espécie e um cartão de crédito.

A adoção desse procedimento não foi consensual, em um primeiro momento, pelo risco do desgaste de passar a mensagem de fracasso das buscas. No entanto, os custos da manutenção das tropas na região contribuíram para a escolha desse caminho.

LEIA TAMBÉM:

A partir desse momento, a Polícia Federal (PF) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) passaram a focar em ações de inteligência.

O deslocamento permitiu que os investigadores rastreassem as antenas de celular.

De acordo com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, um “verdadeiro comboio do crime” estava se deslocando para sair do país. O local para onde eles seguiam para tentar cruzar a fronteira não foi revelado.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS