REDES SOCIAIS

33°C

Sem citar Rússia, governo brasileiro condena bombardeio contra hospital pediátrico na Ucrânia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

O governo brasileiro condenou o bombardeio a um hospital pediátrico em Kiev, na Ucrânia, nesta segunda-feira (8). Apesar disso, o comunicado publicado pelo Itamaraty não citou a Rússia. Leia a nota na íntegra mais abaixo.

O bombardeio russo desta segunda foi um dos piores contra a Ucrânia desde o início da guerra, em 2022. Pelo menos 41 pessoas morreram, incluindo três crianças, em todo o país.

O hospital pediátrico Ohmatdyt, o maior de Kiev, foi parcialmente destruído. Segundo as autoridades, mais de 40 mísseis russos foram disparados contra a capital ucraniana.

Em nota, o Itamaraty afirmou que o governo brasileiro condena ataques em áreas densamente povoadas, “especialmente quando acarretam danos a instalações hospitalares e a outras infraestruturas civis”.

O Brasil pediu ainda que “as partes no conflito” cumpram o que determina o direito internacional humanitário, incluindo com a proteção instalações hospitalares.

Por fim, o governo defendeu que haja diálogo para que uma solução pacífica na guerra.

“Até que os atores relevantes se engajem de forma genuína e eficaz em negociações de paz, o Brasil reitera o apelo para que três princípios para a desescalada da situação sejam observados: não expansão do campo de batalha, não escalada dos combates e não inflamação da situação por qualquer parte.”

A Rússia negou ter bombardeado alvos civis e que os alvos atacados miraram apenas bases aéreas militares em território ucraniano.

Leia a nota do Itamaraty na íntegra

“O governo brasileiro condena o bombardeio que atingiu hoje o hospital infantil Ohmatdyt, em Kiev, que resultou em número expressivo de vítimas fatais, incluindo crianças. O governo brasileiro reitera sua condenação a ataques em áreas densamente povoadas, especialmente quando acarretam danos a instalações hospitalares e a outras infraestruturas civis, e expressa sua solidariedade às vítimas e a seus familiares.

O Brasil exorta as partes no conflito a cumprirem suas obrigações perante o direito internacional humanitário, inclusive a proteção especial conferida a instalações e unidades médicas, que devem ser respeitadas em todas as circunstâncias.

O governo brasileiro continua a defender o diálogo e uma solução pacífica para o conflito na Ucrânia. Até que os atores relevantes se engajem de forma genuína e eficaz em negociações de paz, o Brasil reitera o apelo para que três princípios para a desescalada da situação sejam observados: não expansão do campo de batalha, não escalada dos combates e não inflamação da situação por qualquer parte.”

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS