REDES SOCIAIS

19°C

Senado conclui aprovação de marco que inclui hidrogênio verde na matriz energética brasileira

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O Senado Federal concluiu nesta quarta-feira (3) a aprovação do projeto que cria uma política para incentivar a energia limpa no Brasil a partir do combustível de hidrogênio, com baixa emissão de carbono.

O objetivo da proposta é inserir, de forma competitiva, o chamado “hidrogênio verde”, na matriz energética brasileira.

Como os senadores mudaram o conteúdo do texto, esse precisará passar por nova rodada de votação na Câmara dos Deputados, antes de virar lei.

A matéria dá benefícios fiscais a empresas que produzirem o hidrogênio, com menos emissão de carbono, por meio de energias renováveis.

Ele vai servir para substituir combustíveis fósseis para abastecer, por exemplo, veículos pesados, como trens e aviões. Assim como carros elétricos. O hidrogênio também poderá ser usado na fabricação de fertilizantes e na indústria de aço e farmacêutica.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

O que é hidrogênio verde?

O hidrogênio verde é extraído a partir da eletrólise da água- quando a passagem de uma corrente elétrica separa os dois elementos que compõem a molécula de água- oxigênio e hidrogênio.

Se fonte limpas de energia, como solar, hidráulica ou eólica, forem usadas neste processo, o combustível recebe o selo de hidrogênio verde com zero emissão de CO2.

Mas há gradações nesta classificação, que dependem da quantidade de carbono emitida no processo. O hidrogênio cinza, produzido a partir de gás natural, provoca emissão de carbono, gás que contribui para o efeito estufa.

O projeto considera, portanto, hidrogênio “renovável” aquele com “baixa emissão de carbono”, ou seja, não necessariamente nula.

Potencial brasileiro

De acordo com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), que realiza estudos para o Ministério de Minas e Energia (MME), o Brasil é “um potencial supridor para o mercado doméstico e internacional, considerando a produção por diferentes rotas tecnológicas”.

O Brasil pode se tornar uma potência na produção desse tipo de energia justamente pela diversidade de fontes de energia, devido aos recursos naturais disponíveis.

Segundo a EPE, desde 2021, estão sendo desenvolvidos projetos piloto em escala industrial para obter o hidrogênio de baixo carbono. São exemplos os Portos de Pecém (CE), Suape (PE), Aratu (BA) e Açu (RJ).

Luiz Piauhylino Filho, secretário do Instituto Nacional de Energia Limpa (Inel), afirma que, num primeiro momento, o Brasil vai exportar os derivados do hidrogênio verde, como amônia verde ? que é também um gás ? e metanol verde.

A amônia produzida artificialmente é usada em fertilizantes e em produtos de limpeza e será um ativo importante para que o agronegócio diminua a emissão de carbono.

Acordo de Paris

Outro motivo que pode colocar o Brasil como exportador da tecnologia é a necessidade dos países europeus de cumprir o Acordo de Paris, que estabelece meta, até o fim do século, de limitar o aquecimento global a 1,5 °C em relação aos níveis pré-industriais.

Relatório sobre a Lacuna de Emissões, elaborado pelas Nações Unidas, em 2023, alerta que as emissões de gases de efeito estufa previstas para 2030 devem cair entre 28% e 42% para chegar a 2°C e 1,5°C. Por isso, a necessidade de uso de energia limpa.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS