REDES SOCIAIS

26°C

Tarcísio volta a criticar câmera em uniforme, apesar de resultado comprovado, e diz não se preocupar com mortes causadas por PMs

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O pré-candidato ao governo de São Paulo, Tarcísio Gomes de Freitas (Republicanos) voltou a criticar as câmeras portáteis nos uniformes de policiais militares do estado em evento nesta quarta-feira (1º).

Apesar dos indicadores que mostraram redução de 46% na letalidade policial após a adoção do equipamento, o candidato declarou que não está “preocupado” com as mortes causadas por PMs e, sim, com a “letalidade dos bandidos”.

“Todo mundo me confronta: ‘Ah, mas a letalidade policial diminuiu’. Não estou preocupado com a letalidade policial, estou preocupado com a letalidade do bandido. As pessoas estão sendo abordadas na rua”, disse Tarcísio de Freitas.

A declaração ocorreu durante um debate sobre plano de governo promovido pelo Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do estado de São Paulo (SindHosp) na capital paulista na tarde desta quarta.

Ao abordar o tema segurança pública, Tarcísio voltou a dizer que “a câmera precisa ser reavaliada” enquanto política pública.

“Como toda politica publica, a câmera precisa ser reavaliada, porque você tem 350 mil condenados perambulando pelo estado de São Paulo, sem nenhum tipo de monitoramento. Em vez de monitorar o bandido, eu preferi monitorar o policial?”, questionou Tarcísio.

O pré-candidato defendeu ainda que o custo de uma tornezeleira eletrônica é menor do que o das bodycams usadas pelos policiais do estado de São Paulo.

“O problema é que o policial fica com medo de atuar, inibido para atuar”, defendeu.

Câmeras para policiais


window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

A Polícia Militar do estado de São Paulo deverá ter, até o final do ano, 10 mil câmeras portáteis nos uniformes de seus policiais para tentar conter eventuais desvios de conduta, abusos de autoridade e violência policial.

Os equipamentos que gravam interruptamente começaram a ser usados pela primeira vez em junho de 2021. Eles são chamados de Câmeras Operacionais Portáteis (COP).

Atualmente, segundo a Secretaria da Segurança Pública, mais de 5.600 câmeras corporais em funcionamento.

Ainda de acordo com a pasta, o investimento para utilização das câmeras, incluindo toda a infraestrutura necessária ao funcionamento do sistema, é de R$ 786 por câmera por mês, para um contrato de 30 meses.

Mais de 18 batalhões paulistas utilizam as câmeras durante o trabalho policial, que inclui patrulhamentos nas ruas, abordagens e até perseguições a suspeitos.

Desde que eles passaram a usar os equipamentos, em junho do ano passado, até setembro, o número de mortes decorrentes da atividade policial caiu 46% em todo o estado, na comparação com o mesmo período de 2020.

Além da capital, batalhões de mais sete cidades do estado já possuem as câmeras: São Bernardo do Campo, Carapicuíba, Sumaré, São José dos Campos, Campinas, Guarujá e Santos. Com a aquisição de mais equipamentos, outros municípios também passarão a contar com eles.

VÍDEOS: Tudo sobre São Paulo e região metropolitana

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS