REDES SOCIAIS

35°C

‘Vamos ver se explodimos esse vagabundo’, diz alvo da PF sobre advogado monitorado ilegalmente pela Abin

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

A Polícia Federal voltou às ruas nesta quinta-feira (11) para uma nova fase da operação Última Milha, que investiga a espionagem ilegal de alvos do governo Bolsonaro pela Abin (Agência Brasileira de Inteligência). Desta vez, porém, a apuração está robustecida por dados encontrados nos aparelhos celulares de ex-integrantes do órgão, que falam, inclusive, em usar monitoramento ilegal para “explodir” adversários.

? O blog teve acesso a trechos da documentação que deu base à operação.

A PF confirmou, por exemplo, que o ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia, teve sua movimentação monitorada pelos ex-integrantes da Abin. Além dele, os diálogos revelam espionagem de escritórios de advocacia, deputados, senadores e adversários políticos de integrantes do governo que atuavam na Esplanada dos Ministérios.

Um dos alvos de mandado de prisão nesta quinta, o militar Giancarlos Gomes Rodrigues, que atuava na Abin, fala abertamente sobre o monitoramento de um advogado próximo a Maia ao seu superior: “Vou verificar aqui mas acho que foi no final do ano passado. Eu estava monitorando e o tel [SIC] dele dava várias vezes na área do Bertholdo”. Bertholdo é um advogado do Paraná, citado diversas vezes pelos alvos da investigação.

Ele era visto na Abin como alguém próximo a Maia e à ex-deputada Joice Hasselmann. “Excelente isto, Meu amigo. Vamos ver se conseguimos explodir esse vagabundo que está num DAS-5”, responde o chefe do militar na Abin, o policial federal Marcelo Bormevet, também preso na operação. DAS-5 é um cargo de confiança.

Os mandados de prisão estão sendo cumpridos em cinco estados e no Distrito Federal. Há também ordens de busca e apreensão.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS