REDES SOCIAIS

35°C

Wilson acredita em solução para ?drama do Portão do Inferno? antes do Carnaval

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

@media only screen and (max-width: 767px) {
.img-wrapper {
margin-bottom: 5px;
}

.content-title {
margin-bottom: 10px;
}
}

WILSON SANTOS.jpg

 

O deputado estadual Wilson Santos (PSD) está satisfeito com o encaminhamento da audiência pública que discutiu os efeitos das interdições na Rodovia Estadual MT-251, que liga Cuiabá a Chapada dos Guimarães (66 km de Cuiabá), na Assembleia Legislativa, na última sexta-feira (19).

O parlamentar cobrou dos órgãos responsáveis a elaboração de uma solução a fim de resolver por vez o drama da região do Portão do Inferno, até a próxima audiência marcada pós-carnaval.

O deputado disse à imprensa que o debate trouxe várias ideias executáveis, como a construção de nova rodovia MT-030, asfaltamento da estrada que passa pela Água Fria (MT-246), abertura de túnel pelos rochedos do paredão e até a demolição do pontilhão que ameaça cair.

“Que a gente possa em mais uma, duas semanas no máximo, saber qual será a obra definitiva. Se é túnel, se é uma estrada, se é um viaduto. Depois do Carnaval vamos fazer uma audiência na Chapada dos Guimarães para estar permanentemente atualizando as informações”, afirmou Wilson à imprensa.

A ESTRADA

A estrada de Chapada tem sid bloqueada todos os dias, em determinados horários, em razão dos riscos de desmoronamento no paredão do Portão do Inferno, desde o ano passado. A situação desencadeia prejuízos a moradores e comerciantes da região, que notam o “esvaziamento” da cidade, que tem no turismo sua principal fonte de renda.

No dia 14 de dezembro do ano passado, o Governo do Estado decretou situação de emergência na região do Portão do Inferno, entre os km 42 e 48 da rodovia. O documento que leva em conta o relatório técnico de avaliação das encostas e as conclusões do parecer técnico da Secretaria Adjunta de Proteção e Defesa Civil. Ambos classificam o problema como “movimento de massa-queda, tombamento e rolamento de blocos”.

No início de janeiro deste ano, o Governo do Estado iniciou obras de contenção no local. Porém, durante a execução dos trabalhos, a rodovia acaba sendo totalmente bloqueada, as rotas alternativas existentes no local levam os usuários da via a percorrem mais de 200 km.

Fonte: Isso É Notícia

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS