REDES SOCIAIS

30°C

Após aumento do imposto sobre armas, Medeiros diz que Brasil está sob “desgoverno”

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

@media only screen and (max-width: 767px) {
.img-wrapper {
margin-bottom: 5px;
}

.content-title {
margin-bottom: 10px;
}
}

O deputado federal José Medeiros (PL) criticou o decreto que aumentou a alíquota do imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de 29% para 55% sobre armas de fogo e munições assinado esta semana pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Para o parlamentar, o decreto é mais uma ação para aumentar arrecadação e garantiu que tentarão derrubar o ato.

Medeiros que é membro da Frente Parlamentar da Segurança Pública na Câmara Federal, define a nova ordem como “decisão ideológica” e tenta atingir os contrários a Lula.

“A Frente Parlamentar da Segurança Pública está se articulando para anular os efeitos do decreto do governo, publicado no último dia 31, que eleva a cobrança de impostos. É uma decisão ideológica, pois atinge pessoas que não apoiaram o atual governo. Na próxima semana, o coordenador da Frente Parlamentar, deputado federal Alberto Fraga (PL-DF), vai encaminhar o decreto legislativo para ser analisado pela Comissão de Segurança Pública”, informou o deputado. O deputado ainda afirmou que até o momento o Governo Federal não apresentou uma política pública efetiva para a área da segurança.

“O desgoverno Lula vem reajustando impostos de vários setores para aumentar a arrecadação. É um absurdo e um crime penalizar a sociedade com aumento de impostos por causa de um governo que gasta muito e mal o dinheiro do seu cidadão. Quase um ano que assumiu, mas até agora o Lula não começou a trabalhar. Aliás, ele só viajou”.

Para Medeiros, o decreto do governo Federal é também uma “perseguição” aos CACs (Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador) que, em sua grande maioria, apoiaram a reeleição do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

“Além de perseguição ao CACs, o aumento do imposto vai inviabilizar todo um setor e retirar do cidadão o direito à legítima defesa”, concluiu o deputado federal, que é um dos principais nomes da oposição ao governo do PT no Congresso Nacional. 

 

Fonte: Isso É Notícia

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS